Ano 15

Glauce Rocha

*16 de agosto de 1930, +12 de outubro de 1971 - *Campo Grande - MS

Cena de Navalha na carne, 1970, Braz Chediak
Cena de Navalha na carne, 1970, Braz Chediak
Soberba atriz, Glauce Rocha é uma das mais importantes artistas brasileiras, quer pela sua postura política junto à classe, quer pelo talento incomensurável em trabalhos no teatro, na televisão e no cinema. 

Glauce Rocha estreou nas artes cênicas no teatro, no início da década de 1950, e nesse veículo trabalhou em cerca de 50 peças, onde se consagrou como uma de suas eternas damas. No cinema, depois de pequenas participações em três filmes, estrela Rua sem sol, de Alex Viany, em 1954, com tanta garra e personalidade, mostrando que veio para ficar e ser eterna. Dona de personalidade forte, rigor na interpretação, rosto expressivo e mergulhos abissais em seus personagens, Glauce Rocha mostrou sua arte em mais de 20 filmes. 

Como verdadeira artista que foi, Glauce Rocha ofereceu seu talento para diferentes correntes. Foi de Mazzaropi a Glauber Rocha, de Leon Hirszmann a Braz Chediak. Alguns de seus grandes e inesquecíveis momentos no cinema foram a Marta de Rua sem sol, uma genial e pequena participação em Os cafajestes, a Sara de Terra em transe, e a Norma Sueli de Navalha na carne. Um infarto vitimou a atriz aos 41 anos de idade, na época em que protagonizava a novela Hospital, na TV Tupi, sendo substituída às pressas por Maria Isabel de Lizandra. 


Filmografia

Com o diabo no corpo, 1952, Mário Del Rio
Rua sem sol, 1954, Alex Viany
Rio 40 graus, 1955, Nelson Pereira dos Santos
A noiva da girafa, 1957, Victor Lima
Traficantes do crime, 1958, Mário Latini
Um caso de polícia, 1959, Carla Civelli
Mulheres e milhões, 1961, Jorge Ileli
Os cafajestes, 1962, Ruy Guerra
Cinco vezes favela, episódio Pedreira de são diogo, 1962,Leon Hirsman
Quatro mulheres para um herói, 1962, Leopoldo T. Nilson
Sol sobre a lama, 1963, Alex Viany
O beijo, 1964, Flávio Tambellini
Na mira do assassino, 1968, Mário Latini
Engraçadinha depois dos 30, 1966, J.B.Tanko
A derrota, 1966, Mário Fiorani
Terra em transe, 1967, Glauber Rocha
Jardim de guerra, 1968, Neville D´Almeida
Tempo de violência, 1969, Hugo Kusnet
Incrível, fantástico, extraordinário, 1969, Adolpho Chadler
Navalha na carne, 1970, Braz Chediak
Um homem sem importância, 1971, Alberto Salva
O dia marcado, 1971/77, Iberê Cavalcanti
Cassy jones, o magnífico sedutor, 1972, Luiz Sérgio Person

Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.