Ano 15

Maria Sílvia

*16 de fevereiro de 1944, +26 de julho de 2009 - *São Paulo - SP

Cena de Perdida, 1976, Carlos Alberto Prates Correia
Cena de Perdida, 1976, Carlos Alberto Prates Correia
Maria Silvia é um dos maiores e melhores exemplos de atriz essencialmente de cinema. A atriz estreou no teatro no final da década de 1960 e na TV no final dos anos 70. Mas foi o cinema que revelou todo o seu talento e potencial dramático, capaz de dar voz a personagens ricos em vida interior e diversidade.

O primeiro filme de Maria Silvia foi Joanna francesa, de Carlos Diegues, em 1973. Mas foi o seu segundo filme, Perdida, dirigido pelo mineiro Carlos Alberto Prates Correia, que a consagrou no papel da moça simples do interior, Estela, que acaba se prostituindo. Maria Silvia passou então a ser uma das marcas do inteligente, poético e inventivo cinema de Prates Correia, atuando em todos os filmes seguintes do cineasta: Cabaret mineiroNoites do sertão, Minas- texas eCastelar e nelson dantas no país dos generais.

Maria Sílvia tem uma extensa e premiada carreira no cinema, com participação em mais de 20 filmes. Já emprestou seu talento para diretores de correntes diversas, como os cinemanovistas Paulo Cesar Saraceni, Arnaldo Jabor - com quem tem ótimo momento em Tudo bem -, Ruy Guerra e Walter Lima Jr; o marginal Luiz Rosemberg Filho; o cinema paulista de Chico Botelho; entre outros.



Filmografia

Joanna francesa, 1973, Carlos Diegues
Perdida, 1976, Carlos Alberto Prates Correia
A queda, 1976, Ruy Guerra
Gordos e magros, 1976, Mário Carneiro
Marília e marina, 1976, Luiz Fernando Goulart
A$suntina das amérikas, 1976, Luiz Rosemberg Filho
Anchieta, josé do Brasil, 1977, Paulo Cesar Saraceni
Mar de rosas, 1977, Ana Carolina
Esse rio muito louco, episódio A louca de ipanema, 1977, Denoy de Oliveira
Ajuricaba, o rebelde da amazônia, 1977, Oswaldo Caldeira
Tudo bem, 1978, Arnaldo Jabor
Amor e traição, 1979, Pedro Camargo
Cabaret mineiro, 1980, Carlos Alberto Prates Correia
O bandido antonio dó, 1980, Paulo Leite Soares
Eu te amo, 1981, Arnaldo Jabor
Luz del fuego, 1982, David Neves
Janete, 1983, Chico Botelho
O mágico e o delegado, 1983, Fernando Cony Campos
Noites do sertão, 1984, Carlos Alberto Prates Correia
Dois homens para matar, 1984, Paulo Leite Soares
Águia na cabeça, 1984, Paulo Thiago
Patriamada, 1984, Tizuka Yamasaki
A ópera do malandro, 1986, Ruy Guerra
Ele, o boto, 1987, Walter Lima Jr
Romance, 1987, Sérgio Bianchi
Minas-texas, 1989, Carlos Alberto Prates Correia
Sombras de julho, 1995, Marco Altberg
As filhas de iemanjá, 1995,  Pia Tikka
Como nascem os anjos, 1996, Murilo Salles
Amor & cia, 1998, Helvecio Ratton
Uma vida em segredo, 2001, Suzana Amaral
O diabo a quatro, 2004, Alice de Andrade
Desejo, 2005, curta, Anne Pinheiro Guimarães
Castelar e nelson dantas no país dos generais, 2008, Carlos Alberto Prates Correia

::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.