Ano 16

14a Cineop - Inverno

Werner Schunemann e Luciene Adami em "Inverno" (1984)
A Cineop - Mostra de Cinema de Ouro Preto focaliza o cinema como patrimônio, com isso é espaço voltado para questões comopreservação, reflexão, resgate da memória e salvaguarda da produção brasileira.
 
Durante toda a programação da Mostra, que é dividida em vários eixos, dos destaques no campo da exibição são as Mostra Histórica e Mostra Preservação. A primeira, resgatando exibições de filmes clássicos, invisibilizados ou ainda ausentes do circuito há décadas. Já na segunda, os esforços e resultados de projetos e processos de cinematecas e de políticas de restauro.

Na sexta, 7, dentro da Mostra Histórica, foi possível assistir a  duas sessões, uma de curtas e outra de longa.

Curtas

Na sessão de curtas forma exibidos os filmes Milagre de Lourdes, de Carlos Alberto Prates Correia; Vestibular 70, de Vladmir Carvalho e Fernando Duarte; Vitrines, de Rui Vezzaro; e Almir Mavignier, de Lena Bodanzki.

Milagre de Lourdes coloca em cena a maestria de Prates Correia, um dos cineastas mais singulares e talentosos do cinema brasileiro e autor de filmes indesviáveis como "Perdida" e "Cabaret Mineiro". Em cena um padre, ou um vigarista?, que ao fugir de uma multidão se esconde em um bordel e lá se encontra com a garota Lourdes, onde viverá sua possibilidade de milagre.

Outro destaque da sessão é o curta Vestibular 70, em que Carvalho e Duarte conseguem fazer cinematografia de um tema aparentemente árido - a realização da prova propriamente dita - , impregnando os frames das temperaturas daquelas jovens e jovens, entre tensão e abatimento, ao mesmo tempo em que radiografa uma cidade em exclusão.

Já Almir Mavginier, dirigido por Lena Bodanzky, faz um registro do artista plástico e designer; e Vitrines, de Rui Vezzaro, uma contraposição entre os manequins inertes e a turba urbana a evidenciar a vida como um projeto de consumo.

Inverno


Uma jóia cinematográfica produzida e realizada em Porto Alegre, o longa Inverno, dirigido por Carlos Gerbase.

Carlos Gerbase integra a Casa de Cinema de Porto Alegre, núcleo de produção que trouxe novas luzes ao cinema gaúcho, que  foi antecedida por uma leva de filmes desses futuros integrantes que revelou para o Brasil um frescor cinematográfico todo próprio, como Deu pra ti, anos 70 (1981), de Giba Assis Brasil e Nelson Nadotti, Verdes anos (1984), de Giba Assis Brasil e Carlos Gerbase, e o citado Inverno ((1983).

Inverno é sobre um jovem deslocado. Deslocado em tudo. É jornalista, mas trabalha em uma imobiliária. Deseja a namorada, mas não tem nenhuma afinidade com ela. Visita os pais, mas não se reconhece no seio familiar. Frequenta turma de amigos, mas não se identifica com o que dizem e com o que fazem. Se único refúgio de certa forma é o apartamento em que vive com seus livros e seus discos, ainda que tenha que tourear a vizinhança indesejada.

E seu espaço mesmo, sobretudo, é a cidade, espaço urbano que cruz diariamente, seja para trabalhar, para namorar, para encontrar os tais amigos, para ir ao cinema. E onde, sobretudo vivencia, relembra ou imagina encontros e situaçõesque envolvem o que é , como também o que poderia ser.

Ao situar o filme o filme no espaço urbano de Porto Alegre e não nos pampas gaúchos como geografia central em muitos outros filmes do estado, Inverno já traz aí, de imediato, um deslocamento sedutor para retina, que prescruta aquelas ruas, aquelas edificações, aquele clima, tudo com ar de novidade. E se mesmo hoje, passados 35 anos de sua realização esse frescor geográfico ainda seduz, imagina à época.

Inverno traz para o centro da lente um olhar sobre aquela juventude gaúcha com um acento quase outonal, ainda que o inverno dita não só o clima vivido pelas personagens, como também também toda a narrativa. O tom outonal, um paradoxo para a juventude, se faz ver, principalmente, aos olhos de agora. Como se aquela crônica narrada fosse uma despedida, talvez dos sonhos, talvez de uma juventude, talvez de um projeto de vida.

O talentoso  ator gaúcho WernerSchunemann, que depois ficaria conhecido nacionalmente não só em tantos outros filmes como também em novelas, dá o tom exato para o seu personagem, com seu olhar de tristeza subterrânea e sua incapacidade de mudar sua vida e de fazer escolhas. Ora reproduz atitudes machistas, como com a namorada; ora reproduz companheirismo, como no encontro com o amigo no bar.

Com elenco formado por atores gaúchos, a presença de Luciene Adami como a namorada, personagem roteirizado  com viés reducionista, mas interpretado por essa atriz que, menos de uma década depois, explodiria nacionalmente como Guta, na novela clássica Pantanal, de Benedito Ruy Barbosa, um marco da TV Manchete que fez história.

Inverno é uma preciosidade que precisa ser mais conhecida.


************

14a Cineop - Mostra de Cinema de Ouro Preto
Programação completa
www.cineop.com.br

::Voltar
Sala 
 Betty Faria
Com amor profundo pelo cinema, premiada em vários festivais no Brasil e no exterior