Ano 13

A Sala Zezé Motta é dedicada às informações técnicas sobre o site, contando a trajetória da publicação e a composição da equipe.

O site mulheres do cinema brasileiro


O site Mulheres do Cinema Brasileiro é resultado de um projeto idealizado e há muito acalentado: o mapeamento das mulheres da cinematografia nacional. O cinema brasileiro é dos mais interessantes e o preferido do editor. Nessa predileção, há um espaço especial para a atuação feminina, pois apesar da indústria desse segmento ter sido em primeira instância e durante muito tempo um “negócio” de homens, as mulheres souberam introduzir-se nessa seara com garra, talento e perseverança.

O site Mulheres do Cinema Brasileiro tem como carro-chefe a trajetória das atrizes, pois um dos aspectos mais atraentes de nossa cinematografia é sua variedade de tipos e gêneros. Contudo, não deixa de focar-se nas demais categorias que compõem uma ficha técnica. Essa atenção sobre as atrizes leva em conta a diversidade de nomes e perfis que estimula nosso imaginário cinematográfico. Um espaço democrático, com lugar para o classicismo de Tônia Carreiro, Eliane Lage e Ruth de Souza; a brejeirice de Eliana e Adelaide Chiozzo; a sensualidade latente de Leila Diniz e Sônia Braga; a explosiva modernidade de Adriana Prieto e Helena Ignez; a densidade de Isabel Ribeiro e Ester Góes; o deboche de Dercy Gonçalves, Zezé Macedo, Regina Casé e Violeta Ferraz; o viés crítico de Marília Pêra e Lucélia Santos; o jeito interiorano de Geny Prado, Vanja Orico e Inezita Barroso; a altivez de Luiza Maranhão e Lola Brah; o teor esfuziante de Zezé Motta e Sandra Bréa; a malícia de Marta Anderson e Monique Lafond; o tipo enigmático de Selma Egrei e Lilían Lemmertz, entre outras.


A gênese simbólica do site se deu quando o editor assistiu ao trailer do filme Eros, o deus do amor, de Walter Hugo Khouri, em 1981. Ele era formado por várias atrizes, muitas delas jamais vistas pelo editor, o que lhe despertou interesse para saber quem eram aquelas mulheres. Daí, começou a estudar informalmente sobre o tema.
As pesquisas sistematizadas sobre o tema iniciaram-se em 1991 para a coluna de cinema que o editor manteve até 1993, no extinto jornal Folha Popular, que circulou em Contagem. O veículo era editado por  Edson Martins e contava com o trabalho de redação do jornalista Lucas Figueiredo, que  convidou o editor  para colaborar com a publicação.  Lá foram homenageadas 28 atrizes. As pesquisas continuaram e depois, durante oito meses, de 31 de julho de 2003 até 17 de março de 2004, esteve no ar na internet o fotolog Mulheres do Cinema, no qual foram homenageadas 164 atrizes, das mais diferentes épocas e gêneros. A partir de 12 de maio de 2004, o fotolog virou site e o acervo foi ampliado. Felizmente, a presença da mulher nas mais diferentes áreas do cinema brasileiro vem crescendo a cada dia. O site ampliou seu raio de alcance de registro e passou a mapear todas as profissionais do cinema nacional, em suas mais diversas vertentes: diretoras, produtoras, roteiristas, fotógrafas, diretoras de arte, continuístas, cenógrafas, figurinistas e outras.


Em janeiro de 2005, o Mulheres do Cinema Brasileiro foi agraciado com o Prêmio Especial Quepe do Comodoro, criado e outorgado pelo cineasta Carlos Reichenbach, em cerimônia realizada no Cine Sesc, em São Paulo, onde a publicação recebeu belo troféu. Desde então, Carlão tornou-se um dos maiores incentivadores deste projeto, nominando a Sala Lilian Lemmertz, em que homens do cinema brasileiro homenageiam as mulheres, e tornando-se padrinho vitalício do site.
Com um acervo formado por perfis, entrevistas, depoimentos, críticas, datas, referências, coberturas e o que acontece, o Mulheres do Cinema Brasileiro já focalizou cerca de 500 mulheres. De Carmen Miranda a Maria Flor, de Carmen Santos a Sara Silveira, de Fernanda Montenegro a Cléo Pires, de Cleo de Verberena a Carla Camurati, o Mulheres do Cinema Brasileiro disponibiliza para internautas do mundo inteiro uma porta introdutória ao universo das figuras femininas que fizeram e fazem a história do nosso cinema. O material de pesquisa concentra-se nos trabalhos de longa-metragem, mas isso não descarta a possibilidade de inclusões em outros formatos, como curta, média e vídeos. Visitado por leitores de todo o Brasil e de vários outros países, o site Mulheres do Cinema Brasileiro faz parte hoje das referências bibliográficas de importantes publicações, como a Coleção Aplauso, da Imprensa Oficial de São Paulo, e o Dicionário Astros Estrelas do Cinema Brasileiro, de Antonio Leão. Como grande parte dos visitantes, conforme contatos feitos com o site, é de pesquisadores, de pessoas que atuam ou se interessam pela área, e ainda por quem quer conhecer sobre o nosso cinema, o que se vê é um agente multiplicador que vem reafirmando o alcance do trabalho.


Munido de pesquisa com recorte pioneiro e inédito na web sobre o cinema nacional, o Mulheres do Cinema Brasileiro pretende contribuir para a visibilidade do segmento, em sintonia com trabalhos fundamentais de estudo sobre o tema. Estes, inclusive, são fontes primordiais para o site, de nomes obrigatórios como Carlos Reichenbach e o blog Reduto do Comodoro; Revista Cinema em Close Up;  os pesquisadores Antônio Leão da Silva Neto e seus indispensáveis Dicionário de Atrizes e Atores e Dicionário de Filmes Brasileiros; Luiz F. A. Miranda e o Dicionário de Cineastas Brasileiros; Heloisa Buarque de Hollanda e a série Quase Catálogo, Paulo Sérgio Almeida e o informativo Filme B e o guia Quem É Quem no Cinema; Maria do Rosário Caetano, com vários livros publicados e o Almanaque; Andrea Ormond e o blog Estranho Encontro; Matheus Trunk, Gabriel Carneiro e toda a equipe da Revista Zingu!; Enciclopédia do Cinema Brasileiro; Coleção Aplauso, Revista de Cinema; revistas eletrônicas, sites e blogs como IMDB, Contracampo, Cinética, Paisá, Filmes Polvo, Interlúdio, Cinequanon, Cinemascópio, Planeta Tela, Cinema em Cena, Cineplayers, Cineclick, Cinematório, Adoro Cinema Brasileiro, Diário de Um Cinéfilo, Chip Hazard, Cinema de Boca em Boca, Pornochancheiro, Mondo Paura, Violão Sardinha e Pão, Kino Crazy, Medo de quê?, Passarim, Paragrafilme, Olhar Implícito, Urso de Lata, Setaros´ Blog, Rastros de Carmattos, Blog de Rubens Ewald Filho, Blog do Merten, Blog do Zanin, e muitos outros.


As informações contidas aqui advêm de anos de pesquisas, consultas em publicações específicas, entre livros, revistas e artigos na internet e, sobretudo, muitos filmes brasileiros. Agora, o site Mulheres do Cinema Brasileiro foi contemplado com o patrocínio no programa “Filme em Minas”. Com isso, passou por grande reformulação e ganhou novo design, nova logo e novas ferramentas de navegabilidade criados pela agência Elevado A3, além do mapeamento/atualização de mais 200 mulheres da cinematografia nacional.

O site Mulheres do Cinema Brasileiro foi contemplado com o patrocínio no programa “Filme em Minas” – 5ª Edição, Biênio 2011/2012, do programa de incentivo à produção audiovisual do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, em parceria com a Cemig, com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Sala 
 Zezé Motta
Sedutora e altiva, incendia as telas com sua brasilidade