Ano 16

Extremos do Prazer, 1983, Carlos Reichenbach

O cinema essencial de Carlão

Todo mundo sabe da minha admiração pelo cineasta e pelo cinema de Carlos Reichenbach. E sabem também que ele é padrinho do meu site, Mulheres do Cinema Brasileiro, e que tive a honra de ser premiado por ele em 2005 com o Prêmio Especial Quepe do Comodoro. Pois bem, ainda que falte ver filmes essenciais de Carlão, como Lilian M - Relatório Confidencial e Amor, Palavra Prostituta, tenho um certo conhecimento da obra do diretor. Já assisti, alguns mais de duas vezes: A Ilha dos Prazeres Proibidos, O Império do Desejo, As Safadas - segmento A Rainha do Fliperama, Filme DemênciaAnjos do Arrabalde, Alma Corsária, Dois Córregos, Garotas do ABC, Bens Confiscados, Falsa Loura.

Mal sabia eu que ainda conheceria o belíssimo Extremos do Prazer. Que maravilha de filme. E que direção! Anos-luz equidistante de muita caretice e bom-comportamento em muitos filmes de hoje. Está lá, em Extremos do Prazer, tudo o que há de melhor do cinema de Carlos Reichenbach. O olhar humanista em trama que abre espaço para política, filosofia, lirismo, erudição, desejo e sexualidade para falar da condição humana. E de quebra, as musas deslumbrantes - Taya Fatoon (foto) - que mal conhecia, a não ser de nome; Rosa Maria Pestana, Vanessa Alves e Sandra Graffi. Extremos do Prazer apresenta ainda o melhor trabalho de Luiz Carlos Braga no cinema. Filmaço!

segunda-feira, 16 de novembro de 2009


::Voltar
Sala 
 Léa Garcia
Dona de um talento ímpar e altivo, Léa Garcia brilha no teatro, na TV e no cinema.