Ano 15

Moscou, 2009, Eduardo Coutinho

O encontro do cineasta com o Grupo Galpão

Moscou é o resultado de uma proposta que o cineasta Eduardo Coutinho fez ao Grupo Galpão, companhia mineira de teatro: montar um texto em apenas 18 dias e exclusivamente para ser filmado. Sem saber qual peça seria escolhida, o grupo convidou Enrique Diaz para dirigi-los. 


Em pouco mais de uma hora, acompanhamos o Galpão mergulhar no universo de As três irmãs, de Tchekov. E isso se dá tanto pela encenação de fragmentos da história quanto por pontuações de vivências de cada ator. Em Jogo de cena, o filme anterior do diretor, os limites entre ficção e documentário eram embaralhados. E em Moscou esse clima novamente se estabelece, ainda que de outra forma. 

Estamos diante da ficção que é o texto do escritor russo, mas estamos também diante das lembranças dos atores, com direito a um se valer da memória do outro. Ou seja, mais uma vez Eduardo Coutinho se arrisca e faz um filme que pode não ser fácil, mas que é absolutamente fascinante.

::Voltar
Sala 
 Adriana Prieto
Bela e talentosa, em persona marcada por postura maliciosamente crítica e desafiadora.