Ano 15

Escritoras nas telas do cinema brasileiro

Artigo especial

Cinema e Literatura é uma dobradinha poderosa e que marca presença em várias cinematografias. No Brasil não poderia ser diferente. Vários escritores brasileiros foram adaptados e/ou escreveram diretamente para o cinema. 

Aqui, uma breve seleção das escritoras que já marcaram presença nas nossas telas, com a citação de pelo menos um filme baseado em suas obras.

 

Adriana Falcão
A carioca Adriana Falcão é nome de destaque na renovação da literatura brasileira. Com formação em Arquitetura, Adriana Falcão é romancista, cronista e roteirista de cinema. Em 1999 publicou A máquina, obra que chamou atenção para seu nome e foi adaptada para o teatro. A peça, dirigida pelo marido da escritora, João Falcão, fez sucesso e destacou atores como Wagner Moura e Lazaro Ramos. Os livros seguintes, o infantil Mania de explicação, em 2001, e o juvenilLuna clara e apolo onze, em 2002, confirmaram o talento da escritora. Adriana Falcão escreveu trabalhos para a televisão, em episódios de seriados importantes como A comédia da vida privada e A grande família. Depois do teatro, João Falcão levou A máquina também para o cinema em 2006. Protagonizado por Gustavo Falcão, Mariana Ximenes e Paulo Autran, o filme foi o vencedor do Júri Popular no Festival do Rio.

Cassandra Rios
A paulista Cassandra Rios foi uma escritora polêmica e recordista de vendas nos anos 1960 e 70. Cassandra Rios escreveu o primeiro livro aos 16 anos, Volúpia do pecado, publicado em 1948. Suas tramas picantes focalizavam histórias com muito sexo, muitos deles envolvendo homossexualidade feminina. A escritora foi muito censurada pelo regime militar e incomodou a igreja e as famílias conservadoras. Dentre seus livros estão A taraCarne em delírioTessa, a gata e Crime de honra. Em 1980, o romance A paranóica foi levado ás telas com o título deAriella. Dirigido por John Herbert, o filme conta a história de uma garota que descobre a sexualidade e trama uma vingança contra sua família. O filme projetou sua protagonista, a atriz Nicole Puzzi, como uma das grandes musas do cinema nacional. Ariella é um dos clássicos do cinema popular das décadas de 1970 e 80.

Cecília Meireles
A carioca Cecília Meireles é sinônimo de poesia em seu mais alto padrão. Desde a estreia em 1919 com o livro Espectros, que a escritora construiu uma obra de puro lirismo e que marca o imaginário popular brasileiro. Também cronista, tradutora e autora de peças teatrais, teve sua poesia traduzida para vários idiomas, como o inglês, o francês, o italiano, o alemão e o hindu. Autora de grandes livros como ViagemVaga música e Mar absoluto, em 1953 escreveu o aclamado Romanceiro da inconfidência. Esses versos de Cecília Meireles foram uma das bases para o cineasta Joaquim Pedro de Andrade realizar o filme Os inconfidentes, duas décadas depois, em 1972. Rodado em Ouro Preto, o filme focaliza os protagonistas do movimento histórico, e é o ator José Wilker que interpreta Tiradentes, o mártir da Inconfidência Mineira.

Clarice Lispector
Clarice Lispector é um caso singular na literatura brasileira. Dona de uma obra complexa e com alto teor de subjetividade, a escritora é admirada pela crítica e tem leitores fiéis e apaixonados. Na década de 1940, escreve seus primeiros contos e também inicia carreira jornalística. Em 1943 publica seu primeiro romance Perto do coração selvagem. Dentre os seus livros estão os cultuados A paixão segundo G.H., em 1964, Água viva, em 1973, e A hora da estrela. Publicado em 1977, A hora da estrela é um de seus livros mais populares. A personagem central da história é Macabéa, uma nordestina perdida em meio ao caos urbano. Em 1985, A hora da estrela chegou ao cinema e marcou a estreia da cineasta Suzana Amaral como diretora de longa-metragem e revelou a atriz Marcélia Cartaxo. Por sua interpretação perfeita de Macabéa, Marcélia Cartaxo recebeu o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Berlim. O filme tem ainda as marcantes presenças de José Dumont, Tamara Taxman e Fernanda Montenegro.

Dinah Silveira de Queiróz
A paulista Dinah Silveira de Queiroz é um dos imortais da Academia Brasileira de Letras. A obra da escritora é formada por romances, crônicas, contos, artigos e dramaturgia. Durante sua trajetória, ela recebeu prêmios importantes como o Machado de Assis pelo conjunto da obra. Dinah Silveira de Queiroz estreou em romance em 1939 com o clássico Floradas na serra. Outro romance de grande sucesso é A muralha, publicado em 1954 e transformado décadas depois em minissérie pela Rede Globo. Mas é Floradas na serra que conquistou o público com uma história de amor em um asilo de tuberculosos. Adaptado para o cinema em 1954 pelo diretor Luciano Salce, Floradas na serra é protagonizado pela grande Dama do Teatro, Cacilda Becker e pelo saudoso Jardel Filho.

Helena Jobim
A carioca Helena Jobim é um nome destaque na literatura brasileira. Irmã do mestre Tom Jobim, Helena é romancista e poeta. A estreia nas letras foi em 1968 com A chave do poço do abismo, em parceria com Vânia Reis. Começava aí uma carreira literária marcada por livros sensíveis, como os romances O vento da encantação, em 1987, e o livro de poesias Os lábios brancos de medo, em 1985. Helena Jobim escreveu também a consagrada biografia do irmão, Antonio Carlos Jobim, um homem iluminado, em 1992. Entre seus romances está A trilogia do assombro, de 1981, prêmio José Lins do Rego. Em 1985 o livro foi adaptado para o cinema com o nome deFonte da saudade, dirigido por Marco Altberg. Fonte da saudade conta a história de três mulheres diferentes marcadas pelo abandono do pai e às voltas com sentimentos como angústia e medo de enfrentar a realidade. As três personagens são interpretadas pela atriz Lucélia Santos.

Hilda Hilst
A paulista Hilda Hilst é dona de um estilo literário único, moderno e intenso. Poeta, romancista e dramaturga, Hilda Hilst publicou os primeiros livros de poesia na década de 1950. As obras sãoPresságio, em 50, e Balada de alzira em 51. Nos anos 1960 inicia a publicação de oito peças de teatro, como A possessa e O verdugo. Dentre seus livros mais famosos estão o primeiro em prosaFluxo-Poema, em 1970, e Ficções, em 1977. Ficções deu a autora o prêmio APCA de melhor livro do ano. Outro destaque é Cantares de perda e predileção, em 1983, que lhe valeu o prêmio Jabuti. É também na década de 1980 que Hilda Hilst escandaliza com livro de alto cunho erótico sobre o diário de uma garota, O caderno rosa de lori lamby. O livro foi adaptado para o teatro com direção de Bete Coelho e protagonizado pela atriz Iara Jamra. Em 2005, O caderno rosa de lori lamby chegou ao cinema em curta-metragem dirigido por Sung Sfai, e novamente com a atriz Iara Jamra no elenco.

Lygia Fagundes Telles 
A paulista Lygia Fagundes Telles é um grande nome da moderna literatura brasileira. Destaque no conto, sua primeira publicação no formato foi em 1938, com o livro Porão e sobrado. Nos anos seguintes publicou livros de contos de muito sucesso como Praia viva, em 1944, O jardim selvagem, em 1965, e Seminário dos ratos, em 1977. Lygia Fagundes Telles escreveu também grandes romances como Ciranda de pedra, em 1954, e As meninas, em 1973, que foi adaptado para o cinema em 1996, com a direção de Emiliano Ribeiro. Na década de 1960, Lygia Fagundes Telles escreveu com seu marido, o intelectual Paulo Emílio Salles Gomes um roteiro exclusivo para o cinema. Os autores adaptaram a história de Dom casmurro,  de Machado de Assis, com ênfase na personagem Capitu para filme dirigido por Paulo César Saraceni em 1968. Capitu foi protagonizado pela atriz Isabella.

Lygia Fagundes Telles foi a vencedora do prêmio Camões em 2005, o mais importante da literatura em língua portuguesa. Um dos maiores nomes do conto no país, a escritora encontrou sucesso de público e de crítica também em romances. Um dos pontos máximos de sua carreira é o livro As meninas, publicado em 1973. O romance é uma obra corajosa e brilhante, inspirada na ditadura do Brasil da época. A adaptação cinematográfica era um projeto acalentado pelo diretor David Neves, que morreu antes de concretizá-lo. Em 1995, o livro chegou finalmente ao cinema sob a direção do cineasta Emiliano Ribeiro. O filme não dá conta da complexidade do romance, mas é um retrato delicado sobre as três amigas de internato, protagonizadas por Adriana Esteves, Drica Moraes e Cláudia Liz.

Rachel de Queiróz
A cearense Rachel de Queiróz foi a primeira mulher eleita para a Academia Brasileira de Letras. Jornalista, romancista, dramaturga e cronista, Rachel de Queiróz começou a escrever na imprensa aos 19 anos e atua em vários veículos, inclusive na Revista O Cruzeiro. A escritora estreou como romancista em 1930, com um livro que já nasceu clássico, O quinze. A história sobre os dramas dos retirantes durante a seca de 1915, projetou a autora nacionalmente. Em sua carreira, Rachel de Queiroz ganhou alguns dos prêmios mais importantes da literatura brasileira e portuguesa, como o Machado de Assis, o Juca Pato e o Camões. Dentre outros títulos de sucesso da escritora estãoAs três marias e Memorial de maria moura, ambos adaptados para a televisão. Outro romance aplaudido é Dôra doralina, publicado em 1975. O filme conta a história de uma mulher marcante e foi adaptado para o cinema em 1981. Dôra doralina foi dirigido por Perry Salles e protagonizado por Vera Fischer.


Agosto/2008

::Voltar
Sala 
 Adriana Prieto
Bela e talentosa, em persona marcada por postura maliciosamente crítica e desafiadora.