Ano 15

Cazuza, o tempo não pára, 2004, Sandra Werneck e Walter Carvalho

Um tour de force de Daniel Oliveira

Dirigido a quatro mãos, Sandra Werneck e Walter Carvalho, Cazuza, o tempo não pára é a adaptação livre do livro Só as mães são felizes, de Lucinha Araújo. Adaptação livre porque, quando do lançamento em Belo Horizonte, a própria Sandra disse que no filme tinham cenas inteiras tiradas no livro, mas que também usaram outras de fontes de pesquisa. 

Cazuza, o tempo não pára é uma produção da Globo Filmes, e o convite para Sandra Werneck dirigi-lo partiu do executivo da produtora, o big boss, Daniel Filho. Daí que Sandra convidou Walter Carvalho para dividir a direção, afim de ajudá-la, tecnicamente e humanamente, na empreitada, conforme contou em entrevista ao Mulheres. O filme já uma das maiores bilheterias do cinema brasileiro dos últimos anos. 

Sandra Werneck tem trajetória premiada como documentarista e dirigiu as comédias românticas de sucesso Pequeno dicionário amoroso e  Amores possíveis. Walter Carvalho é um de nossos mais premiados fotógrafos e co-dirigiu com João Jardim o belo documentário Janela da alma

No jornal Folha de S. Paulo, João Araújo, pai de Cazuza, declarou que gostou do filme, mas que se surpreendera com o tom contido sobre a homossexualidade do filho. Na verdade, essa surpresa foi compartilhada por grande parte da crítica, por parceiros do cantor e compositor, como Frejat, e por grande parte da plateia contemporânea ao ídolo. 

Vendo o filme, tem-se a impressão que se a vida atribulada de Cazuza já seria grande demais para um filme, no caso, por ser da Globo Filmes, as arestas exageradas do artista ficaram meio que em camisa-de-força para atingir o público alvo – no entender pelas declarações dos realizadores, esse público seria, em maior número, a geração pós-Cazuza, daí o medo da classificação, que acabou ficando em 16 anos, e não os temidos 18. 

Daniel Oliveira compõe o personagem título com uma garra surpreendente, e certos momentos do filme, sobretudo na fase da Aids, tem-se, várias vezes, a impressão de ser o próprio Cazuza em cena – é uma das maiores interpretações masculinas dos últimos tempos, e o filme vale nem que seja só por ele. Reginaldo Faria, como João Araújo, e Emílio de Mello como Ezequiel Neves – parceiro, produtor e uma espécie de guru de Cazuza - compõem com propriedade seus personagens.. 

Cazuza, o tempo não pára tem no elenco uma de nossas mais notáveis atrizes, a grande Marieta Severo. Marieta dá vida a Lucinha Araújo, a mãe-aranha de Cazuza e grande perpetuadora de sua obra – uma de suas ações fundamentais é a Sociedade Viva Cazuza, entidade que ampara crianças com aids. 

Ainda não li todo o livro Só as mães são felizes, apenas uma primeira parte. Mas no lido, deu para ver o tamanho dos tentáculos amorosos da mãe pelo filho, com tudo de bom e ruim que venha disso. Segundo Marieta Severo, o próprio Cazuza a achava parecida com Lucinha, daí ela se sentir naturalmente escalada para o papel. E quando Sandra e Walter colocam Marieta e Lucinha na mesma cena, na plateia de um show de Cazuza, dá para ver e identificar a forte presença das duas. 

Ainda que o filme seja adaptado do livro, o roteiro não foi muito generoso com a personagem de Marieta. A personagem do João Araújo dá muito mais possibilidades à interpretação de Reginaldo Faria do que o de Lucinha. Marieta brilha sempre, mas fica uma sensação de desperdício de seu talento não explorado pelo filme, muito mais, parece, um problema de roteiro (Fernando Bonassi e Victor Navas)  que de direção. 

Um dado curioso é a reunião, outra vez, de Marieta e Reginaldo como pais de filhos transgressores. A primeira foi em Com licença, eu vou à luta, de Lui Faria, adaptação cinematográfica do livro de Eliane Maciel. 

No elenco feminino, destaca-se Andréa Beltrão como Malu, amiga um pouco mais velha de Cazuza e sua turma. Talentosa, Andrea consegue ressaltar, muitas vezes apenas com o olhar, as ambigüidades da personagem. Já Leandra Leal tem menos chance como a cantora, compositora e parceira Bebel Gilberto. Ainda que, ao reconstituir com Daniel Oliveira a gravação garagem de Eu preciso dizer que te amo, remeter-nos imediatamente para a faixa que acabou em CD lançado após a morte do ídolo e ser um bom momento do filme. 

Débora Falabella, que faz participação especial no filme, não tem muito espaço. Linda e boa atriz, ela parece, na verdade, ser uma espécie de amuleto da sorte nas produções de Daniel Filho, já que está também no sucesso Lisbela e o prisioneiro, como protagonista em filme dirigido por Guel Arraes e coproduzido pela Globo Filmes, e em A dona da história, dirigida por ele, fazendo uma fase da personagem – a outra atriz é Marieta Severo, que no teatro dividia a personagem com a Andréa Beltrão. 

Maria Mariana como Talita, Maria Flor como a Garota de Bauru, e Fernanda Bocchat como a Garota da Ponte são aos outras atrizes do filme. 

Na ficha técnica, além de Sandra Werneck, as presenças de Claudia Kopke nos figurinos e Juliana Mendes na maquiagem – dois ótimos trabalhos do filme; e Zezé d’ Alice no som. 

Cazuza, o tempo não pára, Brasil, 2004, 1h38, 16 anos. 
Direção: Sandra Werneck e Walter Carvalho

::Voltar
Sala 
 Adriana Prieto
Bela e talentosa, em persona marcada por postura maliciosamente crítica e desafiadora.