Ano 15

Carreiras, 2005, Domingos Oliveira

Priscila Rosenbaum magistral em cena

No 33º Festival de Gramado, em 2005, o cineasta Domingos de Oliveira lançou seu manifesto BOAA – filmes de Baixo Orçamento e Alto Astral, com o filme Carreiras.

O filme exemplificava, naquela época, um modelo de produção oposto ao Gaijin 2– ama-me como sou, de Tizuka Yamasaki – o primeiro com orçamento na casa dos mi reais, e o segundo na casa dos milhões de reais.

O Festival de Gramado acabou dando quatro prêmios para Gaijin 2 – Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Atriz Coadjuvante (Aya Ono) e Melhor Trilha Sonora; já Carreiras saiu com o prêmio de Melhor Atriz para Priscila Rozenbaum. 

Assisti Carreiras na Mostra de Cinema de Tiradentes de 2005 e gostei muitíssimo do filme. Só agora, em 2007, ele está sendo lançado nos cinemas brasileiros. 

Carreiras dá sequência ao modelo de pequenas produções realizadas por Domingos de Oliveira dos anos 1990 para cá – Amores (1998), Separações (2002), e Feminices (2004). 

Até hoje o maior filme do cineasta é mesmo Todas as mulheres do mundo, com Leila Diniz e Paulo José, mas este clássico para sempre moderno não engessou Domingos de Oliveira, que vem dirigindo outros tantos filmes deliciosos desde então. 

Carreiras é um tour de force de Priscila Rozenbaum, esposa de Domingos e atriz de seus longas desde Amores – e co-roterista deste e de Separações. O filme é como um grande monólogo da atriz, ainda que conte com a atuação de alguns outros, inclusive o próprio Domingos.

No filme ela é Ana Paula, uma jornalista de 40 anos em crise na profissão. Não necessariamente por sua causa, mas pela chefia de seu programa de televisão, em que atua como âncora, que a pretere por mulheres mais jovens. 

A trama acompanha uma noite dessa explosiva mulher, ao mesmo tempo em xeque com sua carreira de jornalista e a ética – ou falta dela - que norteia a profissão, e com as intermináveis carreiras de cocaína que consome durante o período.

Priscila Rozenbaum é uma grande atriz e em Carreiras sua personagem lhe dá espaço para mostrar do que é capaz. E ela é capaz de muito: chora, enternece, enfurece, xinga, esbraveja, ironiza, desespera-se.

Sua premiação em Gramado foi merecidíssima, mesmo levando-se em conta todos os méritos do filme, que não são poucos, e vai desde o roteiro e direção de Domingos de Oliveira à fotografia do mestre Dib Luft. 

À parte tudo isso, e por causa de tudo isso, Carreiras é mesmo um filme de atriz, de uma grande atriz.

E Priscila Rozenbaum é uma delas.

::Voltar
Sala 
 Adriana Prieto
Bela e talentosa, em persona marcada por postura maliciosamente crítica e desafiadora.