Ano 15

Noel – poeta da vila, 2006, Ricardo van Steen

O genial Noel Rosa em cena

Noel – poeta da vila, primeiro longa do cineasta Ricardo van Steen, começou de uma forma que me fez logo pensar, apesar da boa expectativa: “Ih, vai ser mais uma daquelas biografias didáticas”. No entanto, essa primeira impressão logo se dissipou e pude assistir ao filme com interesse.

Como se sabe, o carioca de Vila Isabel, Noel Rosa, é um dos maiores compositores da música popular brasileira de todos os tempos. Músicas como Último desejo, Com que roupa?, Pra que mentir, Três apitos e Feitio de oração são clássicos eternos da música. Sabe-se também que Noel Rosa morreu com 26 anos, de tuberculose, e que tinha um rosto singular – o queixo retraído, como conseqüência do parto à fórceps.

No filme, Noel Rosa é interpretado por Rafael Raposo, que tem impressionante semelhança física com o compositor. O filme focaliza os últimos anos de vida de Noel, desde a gravação do primeiro samba, Com que roupa? até a feitura de Último desejo, dedicado à musa Ceci, uma dançarina de cabaré interpretada por Camila Pitanga.

É incrível como Camila Pitanga está cada vez melhor como atriz. E cada vez mais linda. Sua composição para Ceci é perfeita, aliando a precoce sedução ao romantismo inesperado, malandragem necessária e fatalismo anunciado. Sua presença é marcante, pois a personagem Ceci tem extrema importância no filme, já que em volta dela que Noel gravita e compõe pelos menos duas de suas mais belas músicas, cantadas no filme – além de Último desejo, ele compõe para ela Pra que mentir.

Em Noel – poeta da vila é interessante ficar tentando identificar os sambistas, cantores e compositores famosos aparecerem, ante de se identificarem. E eles são muitos: Ismael Silva, Wilson Batista, Cartola, Nilton Bastos, Vadico, Francisco Alves, Mário Reis, Mário Lago.

Dentre as artistas, a única retratada é Aracy de Almeida - apesar de Marília Batista compor com esta a dupla de maiores intérpretes do autor, ela não aparece no filme. Carolina Bezerra é outra bela surpresa do filme. Sua interpretação de Aracy de Almeida, intérprete que, inclusive, nos anos 1950, fez ressurgir a obra de Noel para o público, ao gravar várias de suas músicas, é também marcante e bela presença em todo o filme – na cena em que vislumbra, de dentro de um bar, Noel passando de carro e já muito doente, é um comovente momento do filme.

Ainda no elenco feminino, também se destacam Lidiane Borges como Lindaura, esposa de Noel – ela tinha apenas 13 anos quando se casaram por imposição da mãe dela depois dele desvirginá-la, e depois se torna fiel companheira até a morte do compositor, acompanhando-o aos sanatórios para recuperar-se da tuberculose; e Laura Lustosa como a mãe amorosa de Noel. Roberta Rodrigues tem pequena, mas boa presença, como a prostituta Lola.

Noel – poeta da vila ganhou os prêmios de Melhor Direção de Arte, Edição de Som e Prêmio Especial no Festival de Cinema Brasileiro de Miami. Foi eleito também o Melhor Filme pelo júri popular na Mostra de Cinema de Tiradentes

Bia Salgado assina o figurino do filme.

Noel – Poeta da Vila
Brasil, 2006 , 99 min.
Direção: Ricardo van Steen 

::Voltar
Sala 
 Adriana Prieto
Bela e talentosa, em persona marcada por postura maliciosamente crítica e desafiadora.