Ano 15

Carmen Santos - o cinema dos anos 20

Resenha Especial

Carmen Santos é, para muitos – e o Mulheres também acha isso - a mais importante mulher da história do cinema brasileiro. Atriz, dona de estúdio, produtora, roteirista e diretora, Carmen Santos marcou para sempre a história do cinema nacional. Seu maior projeto, e obsessão, foi a realização do filme Inconfidência mineira, que planejou em 1937, mas só concluiu 11 anos depois, em 1948. O filme fracassou e levou Carmen à falência.

Agora, em 2008, são 60 anos de realização desse projeto tão sonhado pela artista. O Mulheres comemora a data - e também homenageia o Mês da Mulher - e publica uma resenha sobre um livro fundamental para conhecer um pouco mais de perto quem foi essa admirável mulher: Carmen Santos – o cinema dos anos 20, de Ana Pessoa.

Resenha Especial - Mês da Mulher
Carmen Santos – o cinema dos anos 20, de Ana Pessoa

O cinema brasileiro, quase sempre, foi um “negócio” de homens. Durante toda a sua trajetória, as mulheres tiveram seu lugar de destaque, desde que se contentassem ao papel de musas, de atrizes a exibirem-se frente às lentes de cineastas e produtores das mais diversas procedências. Nos anos 1920, porém, uma mulher não quis deixar se aprisionar a esses limites, e de atriz passou a produtora, dona de estúdio de cinema e cineasta. E é essa destemida mulher o objeto de estudo da pesquisadora Ana Pessoa (2002) na biografia Carmen Santos – o cinema dos anos 20.

Carmen Santos nasceu em Portugal em 8 de junho de 1904, mas veio para o Brasil em 1912, com oito anos de idade, para viver no Rio de Janeiro. Ela, a mãe, d. Ana Cândida, e a irmã, Juliana, vieram de vez para viver com o pai, João dos Santos Gonçalves, que desembarcara anos antes para preparar o terreno para a vinda da família. Ana Pessoa relata os primeiros anos da família no Brasil e suas dificuldades. O pai era marceneiro e não dava conta de bancar todo o sustento familiar, daí Carmen, que era filha mais velha, pois seus pais tiveram outra menina, Deolinda, abandona a escola pública para trabalhar numa oficina de costura com a função de pregar botões. Pessoa contextualiza o papel da mulher pobre naquela época:

As indústrias de confecções, “vestuário e toucador”, assim como a indústria têxtil, são as mais receptivas frentes de trabalho para as mulheres e meninas dos baixos extratos sociais. As atividades de tecer, costurar e pregar botões nas oficinas de costura transformam em unidade de produção o universo doméstico feminino de fios, agulhas e carretéis. (PESSOA, 2002, p.22)

De operária de fábrica, Carmen Santos passa para vendedora de magazine, o Parc Royal, e é aí que começa sua ascensão. Na época, Carmen tem 14 anos, 1,56m de altura e grandes olhos expressivos. Sua aparência chama a atenção dos fregueses e ela é eleita a mais bela funcionária da loja. A chegada de um técnico de cinema americano ao Brasil, William Jansen, sacode não só o panorama cinematográfico no país, com a instalação da “Omega Film”, como também a vida da pequena Carmen. 

A Omega anuncia o Concurso de Artistas Cinematográficos em 1919. Apaixonada pelo cinema, Carmen faz teste na Omega e é selecionada para interpretar Marta, a principal personagem de Urutau, filme dirigido por Jansen. Começava aí a solidificação da paixão irrefreável de Carmen Santos pelo cinema e Ana Pessoa esquadrinha no livro toda essa obstinação da futura estrela. É pelo cinema que Carmen Santos muda sua história de filha de imigrantes pobres a de o maior nome feminino do cinema brasileiro dos anos 1920 e 1930.

Carmen Santos faz mais dois filmes nos anos 20, A carne, em 1924, e Mademoiselle cinema, em 1925, ambos dirigidos pelo cineasta Leo Merten. Seus três primeiros filmes jamais serão lançados comercialmente, mas Carmen Santos já é uma estrela de ponta. Ana Pessoa proporciona ao leitor uma cuidadosa contextualização da época, como, por exemplo, o poder da publicidade que envolve os astros do cinema de então, com fotos e artigos em revistas como “Palcos e Telas” e “Cinearte”, nos moldes do star-systen Hollywoodiano.

Os filmes de Carmen Santos não são lançados e várias tragédias se abatem sobre eles, como incêndios e constantes interrompimentos de filmagens. Nada porém faz Carmen desistir, e ao conhecer o jovem, rico e apaixonado Antônio Lartigau Seabra, de família tradicional no ramo atacadista de tecidos, encontra não só seu repouso de guerreira, como também o braço econômico a sustentar seus projetos cinematográficos. É com Seabra que Carmen vai romper mais uma vez com o destino reservado às mulheres de sua época e condição social:

A paixão aumenta o inconformismo da jovem atriz, levando-a não somente a afirmar suas perspectivas profissionais como a romper com um dos mais sagrados valores da sociedade de sua época: a virgindade. Segundo os preceitos jurídicos em vigor, o relacionamento sexual precoce era severamente punido – o desvirginamento de menores de 16 anos, independente do uso ou não de violência, era considerado um estupro. (PESSOA, 2002, ps. 35-36).

É no final da década de 1920, que Carmen Santos, finalmente, fica nacionalmente conhecida por seu trabalho na tela. O filme é Sangue mineiro, dirigido pelo cineasta mineiro, de Cataguases, Humberto Mauro, em 1929. Começa aí uma parceria profissional das mais importantes da história do cinema brasileiro. Ele, que construiria uma das filmografias de maior impacto na cultura cinematográfica brasileira e que seria chamado por muitos como o “pai do cinema nacional”. Ela, uma mulher destemida e de forte personalidade, que poucos anos depois galgaria mais um passo impensável para uma mulher: a construção de um estúdio de cinema, a “Brasil Vox Film”, em 1934, que no ano seguinte passaria a se chamar “Brasil Vita Filme”.

A Brasil Vita Filme produz vários documentários e também dois longas de Humberto Mauro e estrelados por Carmen: Favela dos meus amores, em 1935, e Cidade mulher, em 1936. Ana Pessoa narra com detalhes a relação profissional de Carmen Santos com Humberto Mauro e também com o carioca Adhemar Gonzaga, cineasta, jornalista e maior produtor de cinema da época.

Obcecada pelo cinema brasileiro, Carmen Santos dá mais um grande passo nos anos 1930: a realização do sonho de produzir, roteirizar, estrelar e dirigir um filme. Carmen escolhe a história da Inconfidência Mineira, reservando para si o papel de Bárbara Heliodora. A produção do filme, porém, é problemática, sofrendo várias interrupções, e só sendo concluído 11 anos depois de sua idealização – de 1937 até 1948. O resultado é um fracasso de bilheteria, levando Carmen à falência e à venda de seu estúdio no início dos anos 50. A última produção de Carmen é o filme O rei do samba, sobre o compositor Sinhô, dirigido por Luiz de Barros, em 1952. Carmen Santos morre no dia 24 de setembro de 1952, vítima de câncer, aos 48 anos de idade.

Carmen Santos – o cinema dos anos 20, de Ana Pessoa, refaz toda a trajetória de Carmen, destacando o caminhar dessa obstinada mulher na luta pelo cinema brasileiro e revelando o porquê dela ter se tornado o principal nome feminino do cinema, não só dos anos 20, como também de toda nossa história de cinema nacional.

Conhecer a história de Carmen Santos é acompanhar a trajetória da presença da mulher no cinema brasileiro. Para entender todo esse processo, é fundamental conhecer quem foi ela. E o livro Carmen Santos – o cinema dos anos 20, de Ana Pessoa, não é só fonte essencial, é leitura obrigatória.


PESSOA, Ana. Carmen Santos – o cinema dos anos 20. Rio de Janeiro, Aeroplano, 2002.

::Voltar
Sala 
 Adriana Prieto
Bela e talentosa, em persona marcada por postura maliciosamente crítica e desafiadora.