Ano 15

Cléopatra, 2007, Julio Bressane

Uma leitura latina da rainha do Egito

Cleópatra é mais um filme polêmico do cineasta Júlio Bressane. O diretor já trouxe para as telas personagens distantes do cotidiano, como o Padre Antônio Viera, São Jerônimo e o filósofo Nietzsche. Dessa vez ele radicalizou ainda mais ao fazer uma leitura singular e latina da mítica rainha do Egito. 

A Cleópatra na visão de Júlio Bressane fala um português com sotaque carregado, os atores têm interpretação teatral e na trilha sonora tem até Dalva de Oliveira cantando Lupicínio Rodrigues. O resultado vem dividindo a crítica e espantando boa parte do público. Com cenários do Egito reproduzidos no Rio de Janeiro, Cleópatra é um filme sério, mas isso não impede que boa parte do público dê risadas inesperadas em algumas cenas. Um exemplo é o ator Bruno Garcia, que interpreta Marco Antônio, fazendo contorcionismos para não protagonizar cenas de nudez.

Mas quem mergulhar na proposta de Bressane vai encontrar pontos fascinantes durante o filme. Dentre os protagonistas, só mesmo Bruno Garcia erra a mão. Alessandra Negrini foi muito vaiada no Festival de Brasília pelo prêmio de Melhor Atriz, mas está ótima no filme. Quem também surpreende é Miguel Falabella como Júlio César. Cleópatra recebeu seis prêmios no quadragésimo Festival de Brasília, dentre eles o de Melhor Filme.

::Voltar
Sala 
 Léa Garcia
Dona de um talento ímpar e altivo, Léa Garcia brilha no teatro, na TV e no cinema.