Ano 15

Terra em transe, 1967, Glauber Rocha

Obra-prima em cópia restaurada

Glauber Rocha já foi saudado pelos quatro cantos como nosso cineasta mais barroco. Terra em transe, que agora voltou aos cinemas em cópia restaurada, é um exemplo acabado dessa alcunha. Realizado em 1967, o filme é a segunda parte da Trilogia da Terra: o primeiro, Deus e o diabo na terra do sol, o terceiro, A idade da terra.  

De nomes belíssimos cada um, a beleza poética, mas bruta, parece emanar de cada fotograma, fazendo de cada um deles momentos inesquecíveis para sempre na retina: o assombramento em Deus e o diabo na terra do sol; o delírio em Terra em transe; e o radicalismo em A idade da terra. Todos, frutos da genialidade de Glauber Rocha.  

Em Terra em transe, o cineasta coloca em cena um poeta, Paulo Martins, que rememora em delírio sua existência, marcada pelo envolvimento com diferentes forças políticas: um líder de direita, um líder populista e um magnata das telecomunicações.  

Para compor seu elenco, Glauber Rocha escalou um time masculino imbatível: Jardel Filho, como o poeta, e ainda  Paulo Autran, José Lewgoy, Paulo Gracindo e Hugo Carvana.   

No elenco feminino, Terra em transe apresenta mais uma interpretação magistral de Glauce Rocha, uma das maiores atrizes do cinema brasileiro de todos os tempos e ícone desse site. No filme, Glauce Rocha é  Sara, assistente do político interpretado por José Lewgoy, em quem o poeta aposta todas as suas fichas antes do desencanto. Além da comunhão política, Sara se envolve também amorosamente com Paulo.  

Glauce Rocha empresta sua trágica máscara para as inquietações da personagem, no embate entre o amor e a política. Em contraponto, ela e Jardel interpretam uma cena inesquecível de amor/descoberta, em que uma alegria invade a tragédia, com seus risos exasperadamente soltos.  

Durante sua trajetória cinematográfica, Glauce Rocha emprestou seu enorme talento para filmes de diferentes escolas. Ela mesma dizia que não recusava papel no cinema, e por isso atuou em filmes que vão de Mazzaropi a Glauber Rocha. Sua Sara em Terra em transe é uma dessas personagens femininas inesquecíveis do nosso cinema. Mesmo que, aparentemente, sua personagem esteja subjugada aos dois homens que a circundam, a atriz consegue imprimir em sua Sara uma carga tão forte de verdade, que caminha em passos largos em gigantismo e talento ao lado de todos os seus companheiros de elenco.  

Danusa Leão, que na época era considerada  top da modernidade e da elegância, é uma presença marcante no filme como Silvia. Em cada cena que aparece nos rouba o olhar, que insiste em querer perseguir  sua persona perturbadora.  

E tem as participações. Fábio Barreto, dias atrás no Canal Brasil, ressaltou a cena da orgia, em que as mulheres em tempo algum se apresentam desnudas, mas dão o tom orgiástico exato – ele lembra o prebisterianismo de Glauber como possível agente inibidor para tirar a roupa das mulheres. E, realmente, não precisa. Darlene  Glória, Irma Alvarez, Elizabeth Gasper e Sônia Clara são presenças tão marcantes na cena, que o pretendido se estabelece com um erotismo arrebatador. Nas participações do filme tem ainda Telma Reston, ótima como sempre, que escancara no rosto uma orfandade ofendida.

Passados tantos anos, Terra em transe continua impactante. Um dos maiores clássicos da nossa cinematografia e  retrato vivo e atualíssimo de um dos maiores gênios do cinema brasileiro e mundial.  

Terra em transe
Brasil, 1967, 1h50. Direção: Glauber Rocha

::Voltar
Sala 
 Adriana Prieto
Bela e talentosa, em persona marcada por postura maliciosamente crítica e desafiadora.