Ano 16

Que estranha forma de amar, 1977, Geraldo Vietri

Machado de Assis pelo viés de Geraldo Vietri

Importante teledramaturgo, Geraldo Vietri fez história na TV brasileira. Afinal, qual outro autor que além de escrever novelas também as dirigiam e as editavam? Essa façanha rendeu grandes sucessos na fase áurea da Tupi, em obras como Antônio Maria (com Walter Negrão, 1968/69), Nino, o italianinho (com Walter Negrão, 1969/70), A fábrica (1971/72) e Vitória Bonelli (1972/73). Com o fechamento da Tupi, foi para a Globo em 1980, onde escreveu Olhai os lírios do campo, adaptada do romance homônimo de Érico Veríssimo, mas como não conseguiu o controle sobre a obra como tinha na antiga emissora, desentendeu-se com o diretor Herval Rossano e acabou deixando a novela antes de seu final. Antes da TV estreou no cinema, onde dirigiu 13 filmes, a maioria atualmente sem possibilidades de acesso – seu primeiro filme é Custa pouco a felicidade (1952). Sua carreira cinematográfica é pontuada por comédias (na primeira fase), filmes de época (adaptações literárias e filme histórico, na segunda fase), e dramas urbanos (terceira fase). As comédias continuam inalcançáveis, mas alguns filmes das fases seguintes foram lançados em VHS e recuperados pelo Cana Brasil. Os dramas urbanos – Adultério por amor (1978), Os imorais (1979, o ponto alto da carreira), e Sexo, sua única arma (1981) – formam o melhor do seu cinema.



Que estranha forma de amar (1977) é filme da segunda fase, aqui uma adaptação de Iaiá Garcia, de Machado de Assis. Assim como em Senhora (1976) e em Tiradentes, o mártir da Inconfidência (1976), há no filme uma condução excessivamente conservadora, tanto no roteiro quanto na direção. Vietri costumava trabalhar em seus filmes com seu elenco da Tupi, daí temos nomes habituais do seu universo, como Paulo Figueiredo, Márcia Maria, Dina Lisboa, Wilson Fragoso e Jonas Mello. E tem como protagonista Berta Zemmel, que havia brilhado em Vitória Bonelli, uma de suas melhores novelas. Não li o livro de Machado por isso não saberia dizer sobre o protagonismo na obra literária, mas no filme todo o foco recai sobre a Estela de Berta Zemmel, uma mulher que terá que abrir mão duas vezes de seu grande amor inconfesso, o jovem Jorge de Paulo Figueiredo. Na primeira vez para a Guerra do Paraguai, por incentivo da mulher abastada que a criou e mãe dele, Dina Lisboa - para afastar o filho de um inconveniente casamento fora da sua classe social; e na segunda para a enteada, a Iaiá, Solange Theodoro (acima da idade da personagem e excessivamente infantilizada e saltitante, com direito a laços enormes na juba), quando a percebe apaixonada pelo rapaz. O elenco é experiente, mas a direção pede gestos dramáticos, muitas vezes caros ao melodrama – há de se destacar Márcia Maria, que está belíssima e compõe sua Eulália, apaixonada por Jorge e preterida por ele, com sutileza e meios tons de melancolia e elegância. Ainda que o tom solene prejudique o mostrado, a espinha dorsal do cinema de Vietri está lá – pelo menos o possível de conhecer de sua obra: uma crítica à estrutura familiar, que para se manter apoia-se em tradição, convenções, valores de autoproteção e hipocrisia. A Estela de Berta é uma mulher vítima dessa estrutura, que a faz "não existir" - se vê como uma criada pela família que a criou e quando se torna enteada de Iaiá escuta desta em momento chave - ainda que o amor seja correspondido entre as duas -, que ela não é sua mãe. Em Que estranha forma de amar todos os personagens estão infelizes, mesmo aqueles que não "sabem" dessa infelicidade, pois não a querem ver.


sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Longas Brasileiros assistidos em 2016 (001)



::Voltar
Sala 
 Léa Garcia
Dona de um talento ímpar e altivo, Léa Garcia brilha no teatro, na TV e no cinema.