Ano 15

Raquel Pedras

A atriz Raquel Pedras nasceu em Curvelo (MG), no dia 5 de setembro de 1979. Depois de morar em Uberlândia, vai para Belo Horizonte aos três anos, onde se radica e começa a formação no teatro. Ainda no tempo de escola integra o Grupo de Teatro Armatrux, no qual permanece até os dias de hoje, atuando em montagens importantes como No pirex, com direção de Eid Ribeiro: “Eu fiz alguns trabalhos isolados, mas paralelo à minha entrada no Armatrux (Grupo de Teatro Armatrux), porque quando eu entrei no grupo eu estava ainda nas Artes Cênicas, tanto que eu fiquei um tempo de licença do Armatrux na época da minha formação, que foi em 2002. Eu pedi uma licença durante um ano, foi o ano da formatura, tinha montagem, e eu achava que tinha que me dedicar mais”.

Raquel Pedras estreia no cinema no longa-metragem Proibido proibir, de Jorge Durán, filme em que faz parte do grupo de estudantes formado ainda pelos personagens de Alexandre Rodrigues, Maria Flor e Caio Blat, protagonistas do filme: “O Durán tem uma coisa muito legal, ele deixa a gente improvisar. Ele chegava com as cenas ou ele dava as cenas pra gente estudar, só que no dia da filmagem, quando passávamos o ensaio por causa da câmera, ele falava assim: 'ok, vocês fizeram ok, mas agora eu quero que vocês improvisem o texto, vocês sabem o que têm que dizer, sabem a situação que está acontecendo, mas eu não quero essas mesmas palavras'.  Isso dava uma vida, mas, ao mesmo tempo, dava um frio na barriga, você sabia que não podia gastar muita película, você não podia errar, sabe aquele negócio? Então era muito aflitivo, mas que foi muito legal, foi uma experiência maravilhosa”.

Depois, a atriz atua no segmento dirigido por Criz Azzi do longa 5 frações de uma quase história: “Foi uma delícia e um outro desafio, porque eu dirigia um impala, então eu tive que ir lá em Sabará, na casa do colecionador de carros, para fazer o teste com esse carro dele. Eu fiquei dirigindo por Sabará naquele impala vermelho, aquele carro gigante, maravilhoso.  Eu falei 'se eu bato o carro desse cara eu estou ferrada'. E, em seguida, no curta A santa visitação, de Elza Cataldo.

Raquel Pedras conversou com o site Mulheres do Cinema Brasileiro em fevereiro de 2013. Ela fala sobre sua formação, a carreira de atriz no teatro, a estreia no cinema em Proibido proibir, de Jorge Durán, a atuação no episódio de Criz Azzi no longa 5 frações de uma quase história, no curta A santa visitação, de Elza Cataldo, e outros assuntos.



Mulheres do Cinema Brasileiro: Para começar, origem, data de nascimento e formação.

Raquel Pedras: Meu nome é Raquel Pedras, nasci em Curvelo (MG), no dia 5 de setembro de 1979. Eu comecei a fazer teatro aos 12 anos de idade no Dom Silvério, que era a escola onde eu estudava, eu fiz o curso que tinha lá com a Cristina Tolentino. 

MCB: Mas isso já em Belo Horizonte, não é? 

RP: Em Belo Horizonte, eu nasci em Curvelo, morei em Uberlândia até os três anos de idade, e vim aqui para Belo Horizonte, onde fiquei aqui desde sempre. Minha família materna é de Curvelo. Eu fiz esse curso no Dom Silvério, depois fiz no Palácio das Artes, onde me formei em 99 como atriz no curso técnico, e, nesse mesmo ano de 99, eu entrei no curso das Artes Cênicas, na Federal, onde eu formei também como atriz.

MCB: Então você já queria ser atriz desde criancinha? 

RP: Não, isso é curioso, eu não tinha essa vontade não. Eu comecei a fazer por uma sugestão da minha irmã mais velha, foi um negócio do acaso, sabe. E comecei não foi por arte, ou uma provocação, talento, eu comecei bem por acaso mesmo. Eu cutuquei a Cristina no recreio e falei “Será que eu poderia entrar no teatro ainda?” Porque quando eu a procurei já era abril, já tinha começado o curso, aí ela deixou, eu fui, e nunca mais parei, tem 21 anos.

MCB: Quando você se formou profissionalmente, você já entrou em grupos ou teve uma trajetória no teatro como independente? Atuou em trabalhos como convidada ou circulando por alguns coletivos?

RP: Eu fiz alguns trabalhos isolados, mas paralelo à minha entrada no Armatrux (Grupo de Teatro Armatrux), porque quando eu entrei no grupo eu estava ainda nas Artes Cênicas, tanto que eu fiquei um tempo de licença do Armatrux na época da minha formação, que foi em 2002. Eu pedi uma licença durante um ano, foi o ano da formatura, tinha montagem, e eu achava que tinha que me dedicar mais. Aí eu fiquei mais no escritório do Armatrux, não fiquei viajando tanto, eu pedi para dar uma parada nas viagens para me dedicar à formação. 

MCB: Fora do Armatrux, quais foram os espetáculos? Dá para você citar alguns? 

RP: Eu fiz na Cia Clara o Todas as belezas do mundo, substituindo, eu fiz a preparação corporal do espetáculo e quando a Carolina (Amaral) saiu eu fiz a substituição dela. Eu fiz uma cena com a Grace Passô e com a Bruna Cristófaro no Cenas Curtas, do Galpão Cine Horto, chamada Dois corpos mais um, no primeiro Cenas Curtas. Depois eu fui dirigida pela Fafá Renó em outra edição do Cenas Curtas, em Metafórica. Fiz as montagens da Cristina Tolentino, a Aurora da minha vida foi a primeira, depois a gente fez várias que eu não vou lembrar o nome agora, durante o ano nós fazíamos uma três, fazíamos intervenções artísticas. A gente fez As troianas, essa montagem foi um marco para mim, é uma tragédia grega, nós éramos muito novos, eu tinha 14 anos. Foi uma experiência muito marcante na minha vida e que eu já considero profissional, sabe, eu considero As troianas a minha primeira montagem profissional, porque era uma dedicação grande, eram oito horas diárias de ensaio. A Cristina é uma profissional muito bacana, ela me ensinou a disciplina, a dedicação que o ser ator precisa, sabe, e isso eu acho que é uma coisa que a gente leva para o resto da vida.  Então toda vez que eu encontro com ela eu falo “Cristina, você é minha mestra”. Ela era muito exigente com a gente nesse sentido, e a gente era muito criança. Eu acho que quem continuou, quem passou por ela e continuou, tem uma marca Cristina Tolentino.

MCB: Como você foi para o Armatrux? Foi um convite? Como aconteceu, porque o Armatrux já era um grupo de estrada, não é?

RP: Já, de estrada. Eu fui convidada, eles precisavam de uma substituição. Na época, o Cristiano (Araújo), que já era do Armatrux e continua até hoje, era meu namorado, como eles precisaram de uma substituição, ele me indicou para fazer um teste. Aí eu fui no grupo, fiz o teste, passei, e nunca mais saí. 

MCB: Foi substituição em qual espetáculo? 

RP: Foi na remontagem do Acorda Aderbal, que foi a primeira montagem do grupo e que eles estavam remontando. Daí eu não parei mais e participei de todas as montagens desde então, que foi em 2000.

MCB: Você entrou oficialmente no Armatrux ou você é convidada do grupo? 

RP: Em 2000 eu cheguei lá como convidada, mas foi muito rápido que eles já me oficializaram enquanto grupo mesmo. Foi em 2003 que eu já compus o grupo na associação, como diretoria artística, desde então eu só tirei licença maternidade, nunca mais teve isso de "estou fazendo outro curso, vou precisar de um tempo para isso ou para aquilo", desde então é uma dedicação integral ao grupo. 

MCB: Quais são os espetáculos que você já fez no Armatrux?

RP: Fiz o Armatrux - a banda, que foi até antes dessa oficialização no Armatrux, se não me engano o espetáculo é de 2002. Depois a gente fez Andarilhos do repente - bonecos na estrada, aí teve o Esperando Godot, a segunda montagem que o grupo fez com a direção do Anderson Aníbal. Depois fizemos Nômades, com a direção da Cristiana Brandão, depois o De banda pra lua, e em seguida o No pirex.  Agora a gente está na nova montagem do grupo, dirigida pelo Eid Ribeiro, que é também diretor dos dois últimos. Paralelo à essas estreias, a gente tem um trabalho de palhaço que se chama Sociedade do Riso. Nesse projeto nós montamos o Parangolé, a Paula Manata, que é a atriz palhaça do grupo, me convidou pra fazer um número com ela que se chama Fósforos pegam fogo mesmo, e tem o Gatrono-mico, que é uma montagem de palhaço que a gente realizou. Eu falo paralelamente porque, às vezes, mesmo estando em uma montagem adulta ou infantil, a gente faz essas montagens de palhaço, que não necessariamente precisa do grupo inteiro, eu já fiz com a Paula, já fiz com o Dudu (Eduardo Machado), a gente vai se revezando nas duplas de palhaço. 

MCB: Se a atriz lá no inicio era por acaso, depois também por sobrevivência, mas o gosto aí da atriz já veio...

RP: A necessidade que eu falo é... 

MCB: Existencial.

RP: Existencial, totalmente, mesmo porque no início eu não tinha nenhum retorno de sobrevivência, de que era algo que me sustentava financeiramente. É totalmente existencial, minha necessidade artística é de vida mesmo, de pensamento, eu preciso estar com algum pensamento artístico, é o que me move. E mesmo na vida, as cenas da vida me instigam muito, a senhora que passou, a conversa que eu tive, a conversa que eu ouvi, o tanto que isso tem de teatral, sabe, isso me encanta muito. 

MCB: Nesses anos todos de palco, você já tinha essa necessidade ou vontade de trabalhar com audiovisual? Como surgiu? Foi um caminho natural da atriz?

RP: Eu gosto muito, eu sempre falei que queria fazer tudo, que eu quero fazer tudo. Desde quando eu comecei a fazer teatro eu não consegui parar, mas eu nunca tive uma fala assim de que nunca faria novela na vida, eu faria feliz, acho que ia amar mesmo. Eu amo ir para o estúdio gravar locução ou gravar voz de personagem, eu acho uma delícia. Eu nunca falei que nunca faria cinema, eu acho que tudo me interessa, tudo me encanta, eu quero experimentar de tudo mesmo até para conseguir falar que não quero. 

MCB: Televisão você já fez? 

RP: Não, televisão não. 

MCB: Vamos falar de cinema.

RP: O Proibido proibir foi a minha primeira história, o meu primeiro filme. Dentro do Armatrux a gente fez os curtas dos palhaços, que foram uma delícia, mas foram depois, eu já tinha filmado o Proibido. Eu namorava o Bruno Magalhães, que é meu marido hoje, ele é fotógrafo de cinema e fotógrafo de jornalismo. Ele foi convidado pelo Luís Abramo para fazer a assistência dele nesse filme com o Jorge Durán, que é o Proibido proibir, que foi filmado no inicínho de 2005. O Luís e o Prents (apelido de Bruno) tinham uma onda de experimentar lentes e efeitos, não no pós do filme, mas durante a filmagem, como distorcer a lente, como fazer essas coisas. O Prents é super inventivo nesse sentido. Ele tinha que fazer uns testes para mandar para o Durán, eu estava com ele no trabalho, na agência de fotografia, e ele falou assim “Raquel, fica ali no fundo para mim”. Daí pegou vários tipos de efeito e foi colocando, só que distorciam muito o meu rosto, era bem distorcido, só que eu fiquei ali no fundo. Quando ele foi apresentar para o Durán, ele disse “mas quem é essa menina aí no fundo?” O Prents disse que era eu, sua esposa, que ele tinha me colocado só para ele ver o tipo de efeito. Ele perguntou com o que eu trabalhava e o Prents disse que eu era atriz. O Durán quis fazer um teste comigo, eu fui para o Rio, fiz um teste, e ele me convidou para fazer o trabalho. Foi sensacional, sensacional. Na verdade foi muito aflitivo, porque era o primeiro filme e já com o Durán, que é um cara que tem sei, sei lá, muitos anos de cinema, apesar dele ter dirigido um filme só, que é o A cor do seu destino, que já tinha 30 anos. Ele tinha feito o filme, que era de 80 e poucos (1987), ele não tinha mais filmado. Mas ele é um roteirista, é um diretor de cinema, e aí eu falei “putz, como é que vai ser isso?” Daí fomos fazer a leitura de roteiro, os atores muito bacanas, tem o Caio Blat, eu fiquei impressionada com ele, mesmo, ele é um ator muito impressionante. Eu ficava impressionada com a leitura do roteiro, como que era já tão vivo. Aí eu fiz om o Caio Blat, com o Alexandre (Rodrigues), com a Maria Flor, eles eram do meu núcleo de estudantes. 

O Durán tem uma coisa muito legal, ele deixa a gente improvisar. Ele chegava com as cenas ou ele dava as cenas pra gente estudar, só que no dia da filmagem, quando passávamos o ensaio por causa da câmera ele falava assim “ok, vocês fizeram ok, mas agora eu quero que vocês improvisem o texto, vocês sabem o que têm que dizer, sabem a situação que está acontecendo, mas eu não quero essas mesmas palavras”.  Isso dava uma vida, mas, ao mesmo tempo, dava um frio na barriga, você sabia que não podia gastar muita película, você não podia errar, sabe aquele negócio? Então era muito aflitivo, mas que foi muito legal, foi uma experiência maravilhosa. O Durán é um guerreiro, ele era o que chegava no set mais animado, às seis horas da manhã, e ficava até às nove da noite, não tinha tempo ruim para ele, era muito impressionante. 

Eu fiquei muito apaixonada com o cinema mesmo, sabe, essa concentração, esse tempo. Todo mundo ficava falando comigo que eu teria que ter muita paciência, que é um veículo de paciência, que o ator mais espera do que filma. Só que eu não achei a espera vazia em nenhuma das experiências que eu tive, entendeu? É uma espera, mas é uma espera preenchida, ali, naquele ambiente, eu achei muito especial, muito legal mesmo.

MCB: Você consegue se lembrar da sua primeira impressão do set? O que você consegue se lembrar? Foi “eu gosto, eu quero”, ou teve algum desconforto? Como foi?

RP: Eu fiquei nervosa, na primeira leitura eu fiquei muito nervosa, porque a gente foi ler na produtora, não foi em nenhuma locação. Eu era muito de fora, eles todos meio que já se conheciam, mesmo os que eram mais famosos, como o Caio Blat, tinha uns que estavam começando, mas são atores que já fizeram vários longas.  Então tinha uma intimidade ali, eu realmente cheguei muito de fora, e isso me deu um certo constrangimento, uma timidez, ainda que eu não seja uma pessoa tímida.  Depois, o meu primeiro dia de filmagem foi na Uni Rio, várias locações que a gente teve foram lá. Aí já foi mais à vontade, já era uma coisa mais direcionada, eu já tinha conhecido o pessoal do figurino, o pessoal da direção de arte, já tinha feito reuniões para experimentar o figurino. Já era uma coisa mais de ensaio e aí você fica mais à vontade nesse universo, eu estou mais confortável nele, é uma coisa mais do teatro mesmo. A primeira cena que eu gravei foi péssima, ficou super dura, que era meu primeiro encontro com o Alexandre e com o Caio.  Nos outros dias teve umas cenas que a gente gravou no apartamento e aí já foram deliciosas de gravar. 

MCB: Depois do Proibido proibir vem o 5 frações de uma quase história ou o curta? 

RP: Vem o 5 frações, e aí foi teste também que eu fiz. Eu fiquei sabendo que ia ter esse filme aqui e eles me convidaram para fazer o teste. O Cris (Azzi) me chamou para fazer esse episódio dele, que é o Qualquer voo. A filmagem foi em 2006, foi uma delicia também de fazer, é uma participação pequena que eu faço no episódio dele, mas super gostosa, eu contraceno com a Inês Peixoto e o Luiz Arthur.  Foi uma delícia e um outro desafio, porque eu dirigia um impala, então eu tive que ir lá em Sabará, na casa do colecionador de carros, para fazer o teste com esse carro dele. Eu fiquei dirigindo por Sabará naquele impala vermelho, aquele carro gigante, maravilhoso.  Eu falei “se eu bato o carro desse cara eu estou ferrada”. Daí nós fomos lá para o Rola-Moça, que é uma estrada em Nova Lima, e aí tinha uma tensão porque tinha que ser uma coisa muito natural, mas assim, com uma câmera na frente, um carro puxando, e eu tinha que ter esse controle da aceleração do carro, uma piração, é muito doido, mas é muito legal. Eu não sei se vou falar bobagem, mas tem hora que eu sinto que o teatro é mais formal do que o cinema, entendeu?  No teatro, às vezes, para eu fazer uma cena com você, em que eu tenha que te abraçar, tem uma formalidade maior do que no cinema, que é um negócio de câmera, ela te engole mesmo, é mais real. É muito mágico, eu acho que o cinema tem essa magia, é uma magia do real, sabe, e isso é muito legal. 

MCB: Depois você faz o curta, não é isso? 

RP: Sim,o curta da Elza Cataldo. Esse curta da Elza, se chama A santa visitação, foi muito legal também, porque de alguma forma eu fui encontrando pessoas que depois ficaram na minha vida, igual a Inês e o Luiz Arthur. Nesse filme eu contracenava com a Fernanda Viana, nós éramos lésbicas, lá daquela época, foi só uma participação, mas que foi muito legal de filmar. Depois teve o Ouro Branco, da Elza, que eu não fiz porque estava com barrigão, já grávida do Otto, isso foi em 2008. O A santa visitação foi em 2007, foi todo gravado em Ouro Preto.

MCB: Depois disso você não fez mais cinema?

RP: Não fiz mais cinema. Tem os curtas metragens do Armatrux, que são o Ler pra crer, o A máquina do tempo, e o Um por todos e todos por um, que são com os palhaços Supertrux, os palhaços do Armatrux. São curtas educativos, cada um com um tema para as crianças e que foram super legais de fazer, teve direção do Anderson Guerra, direção de arte do Marney Haitmann, direção de fotografia do Bruno Magalhães. A gente fez com a cara e a coragem. 

MCB: Para encerrar, as únicas duas perguntas fixas do site: qual mulher do cinema brasileiro, de qualquer época e de qualquer, você deixa registrada na sua entrevista como homenagem? 

RP: Eu vou ficar em um lugar comum, mas eu tenho que falar da Fernanda Montenegro. Pelo tempo dela, pelo silêncio dela, e pela fala dela. Qualquer trabalho que eu já vi dela, e aí eu estou falando da televisão e do cinema, porque no teatro eu só vi ela uma vez, eu acho que ela ensina muito, a dramaturgia de ser ator, sabe, o tanto que ele precisa de pausa, precisa de silêncio para dar sentido ao som, à ação e à fala. 

MCB: Qual foi o ultimo filme brasileiro que você assistiu? 

RP: O último filme que eu vi foi no canal Brasil outro dia, acho que se chama Podecrê (2007, Arthur Fontes), que é sobre um tanto de jovem descobrindo o amor, a adolescência, os amigos da escola, eles estão se formando no terceiro ano. Daí tem uns amigos que têm uma banda, engravidam uma menina, essa questão do amadurecer. Eu achei o filme tão lindo, eu e o Prents, a gente chorou no final, é um filme bem despretensioso, tão bonito os jovens atores do filme, muito legal.

MCB: Alguma coisa que você queria falar que eu não perguntei? 

RP: Eu quero falar que eu acho genial essa sua ideia do site, de vez em quando é bom registrar umas coisas assim, esse amor que você tem pelo cinema brasileiro, pelos atores, e também pelos grupos de teatro, eu acho isso muito bacana.  Esses profissionais que cuidam da gente, e eu falo não só dos atores, mas dos grupos de teatro, do cinema, dos filmes, esse carinho e esse cuidado, a gente precisa muito para continuar criando, isso é muito bom. 

MCB: Muito obrigado pela entrevista.


Entrevista realizada em fevereiro de 2013.
Foto: Bruno Magalhães

Veja também sobre ela

::Voltar
Sala 
 Sala Dina Sfat
Atriz intensa nas telas e de personalidade forte, com falas polêmicas.