Ano 15

Antônia Marzulo

*13 de junho de 1894, +25 de agosto de 1969 - *Rio de Janeiro - RJ

Cena de O ébrio, 1946, Gilda de Abreu
Cena de O ébrio, 1946, Gilda de Abreu
A atriz Antônia Marzullo é um nome importante das artes cênicas e do cinema brasileiro, veículo em que levou seu talento para quase duas dezenas de filmes. Além disso, é matriarca de uma família de grandes mulheres artistas – é mãe das atrizes Dinah e Dinorah Marzullo, e avó de Marília e Sandra Pêra.  

Antônia Marzullo tem longa carreira no teatro e no cinema. Nos palcos, atuou em vários espetáculos, sendo que em algumas Revistas assinadas pelo seu genro, o jornalista, escritor, poeta, compositor e caricaturista Nestor Tangerini, como No tabuleiro da baiana e Gol! – Nestor Tangerini foi casado com Dinah Marzullo Tangerini, cujo filho, Nelson Marzullo Tangerini, é quem cuida da preservação da memória da família. Antônia Marzullo estréia no cinema na década de 1930, atuando no clássico Favella dos meus amores (1935), do mestre Humberto Mauro, e em João ninguém (1937), de Mesquitinha. Nos anos 40 marca presença em várias produções da Cinédia, estúdio carioca do jornalista e cineasta Adhemar Gonzaga, que também a dirige em Loucos por música, como a dona da pensão. 

É na Cinédia que Antônia Marzullo vai atuar em dois clássicos, ambos dirigidos pela cineasta Gilda de Abreu: O ébrio (1946), em que interpreta Lindoca; e Pinguinho de gente, como uma das tias. A atriz participa também da mais ambiciosa produção da atriz, cineasta e produtora Carmen Santos, Inconfidência mineira. Antônia Marzullo segue carreira no cinema nacional até a década de 60, atuando em filmes de diretores importantes, como Carlos Hugo Christensen, Eurídes Ramos, J.B Tanko e Eduardo Coutinho.  


Filmografia

Favella dos meus amores, 1935, Humberto Mauro
João ninguém, 1937, Mesquitinha
O ébrio, 1946, Gilda de Abreu
Inconfidência mineira, 1948, Carmen Santos
Pinguinho de gente, 1949, Gilda de Abreu
Loucos por música, 1950, Adhemar Gonzaga
Um beijo roubado, 1950, Leo Merten
Balança mas não cai, 1953, Paulo Wanderley
Mãos sangrentas, 1955, Carlos Hugo Christensen
O diamante, 1956, Eurídes Ramos
Bonitinha, mas ordinária, 1963, Billy Davis
Samba, 1965, Rafael Gil
O menino e o vento, 1967, Carlos Hugo Christensen
Massacre no supermercado, 1968, J.B. Tanko
O homem que comprou o mundo, 1968, Eduardo Coutinho
As aventuras de chico valente, 1968, Ronaldo Lupo
Como vai, vai bem?, episódio Santinha do encantado, 1969, Daniel Chutorlanscy

Crédito da foto: 50 Anos de Cinédia, de Alice Gonzaga

::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.