Ano 15

Debora Bloch

*29 de maio de 1963 - Belo Horizonte - MG

Cena de Noites do sertão, 1984, Carlos Alberto Prates Correia
Cena de Noites do sertão, 1984, Carlos Alberto Prates Correia
Uma das mais talentosas atrizes de sua geração, Débora Bloch é também uma comediante de mão cheia, e há duas décadas diverte e emociona o público com o seu trabalho na televisão, no teatro e, claro, no cinema nacional.

Filha do ator Jonas Bloch, Débora Bloch começou sua carreira artística no teatro, quando passa pelas mãos dos mestres Rubens Correa, Ivan Albuquerque e Amir Haddad, e estreia profissionalmente em 1980. No ano seguinte chega a TV, e entre suas passagens inesquecíveis está a participação no anárquico TV pirata, que reunia a renovação da comédia, tanto em estética como no elenco. Débora Bloch debuta nas telas já como protagonista do sucesso jovem Bete balanço, de Lael Rodrigues. Nesse mesmo ano, compõe personagens diversos em Patriamada e no belíssimo Noites do sertão, de Carlos Alberto Prates Correia, que lhe vale o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Gramado e em Cartagena.

Débora Bloch faz poucas novelas, dirigindo sua carreira na TV mais para projetos especiais, como minisséries e programas humorísticos – outro ponto alto é a série adaptada de Nelson Rodrigues, A vida como ela é, rodado em película. A atriz mantém carreira constante no teatro e no cinema, sendo que neste último já atuou em mais de dez de filmes. Além dos já citados, outros de seus bons momentos na tela são em Sonho sem fim, no episódio Drão, de Veja esta canção, de Carlos Diegues, e em À deriva, de Heitor Dahlia.


Filmografia

 Bete balanço, 1984, Lael Rodrigues
Patriamada, 1984, Tizuka Yamasaki
Noites do sertão, 1984, Carlos Alberto Prates Correa
Sonho sem fim, 1985, Lauro Escorel
O grande mentecapto, 1989, Oswaldo Caldeira
Veja esta canção, episódio Drão, 1994, Carlos Diegues
Felicidade é..., 1995, episódio Estrada, Jorge Furtado
A ostra e o vento, 1997, Walter Lima Jr.
Bossa nova, 2000, Bruno Barreto
Caramuru – a invenção do Brasil, 2000, Guel Arraes
À deriva, 2009, Heitor Dhalia

::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.