Ano 15

Giulia Gam

*28 de dezembro de 1966 - Perrugia - Itália

Cena do episódio de Oswaldianas, 1992, Julio Bressane
Cena do episódio de Oswaldianas, 1992, Julio Bressane
Uma das maiores revelações das artes cênicas dos anos 1980, Giulia Gam vem construindo uma carreira notável, seja no teatro, na televisão e no cinema. Nesse último, marca presença contínua em uma trajetória importante.  

Giulia Gam inicia sua carreira artística em São Paulo pelas mãos do genial diretor de teatro Antunes Filho. Sua composição para Julieta, do clássico de Shakespeare Romeu e julieta, dirigido por Antunes, a projeta no meio artístico. A atriz desenvolve carreira importante no teatro, em montagens autorais e de vanguarda assinadas por nomes como Gerald Thomas e Bia Lessa. Em 1987, estreia em novelas como a Jocasta jovem em Mandala, de Dias Gomes. Na telinha, atua em marcos da teledramaturgia como as novelas Que rei sou eu? (1989) e Mulheres apaixonadas (2003); na minissérie O primo basílio (1988); e nos seriados A comédia da vida privada (1995) e A vida como ela é. Em 87 Giulia Gam chega também aos cinemas, atuando em três filmes: Aurora, curta de Beto Brant e Renato Ciasca; Besame mucho, de Francisco Ramalho Jr; e O país dos tenentes, de João Batista de Andrade. Já na década seguinte, atua em filmes de cineastas autorais, como Walter Salles, Julio Bressane e Ugo Giorgetti, além de protagonizar a estreia do jornalista Pedro Bial – seu marido na época - como cineasta no belo Outras estórias.  

Giulia Gam tem bela presença cinematográfica – sua pequena, mas marcante participação em A grande arte, irregular longa-metragem de estreia do cineasta Walter Salles, é uma das melhores coisas do filme. O encontro da atriz com o mestre Julio Bressane também resultou em três belos rebentos: o episódio Quem seria o feliz conviva de isadora duncan, em Oswaldianas, e os longas O mandarim e Miramar

 
Filmografia

Aurora, 1987, curta, Beto Brant e Renato Ciasca
Besame mucho, 1987, Francisco Ramalho Jr
O país dos tenentes, 1987, João Batista de Andrade
Fogo e paixão, 1988, Marcio Kogan e Isay Weinfeld
A grande arte, 1991, Walter Salles
Oswaldianas, episódio Quem seria o feliz conviva de isadora duncan, 1992, Julio Bressane
Sábado, 1995, Ugo Giorgetti
O mandarim, 1995, Julio Bressane
Miramar, 1997, Julio Bressane
Policarpo quaresma, herói do Brasil, 1998, Paulo Thiago
Tiradentes, 1999, Oswaldo Caldeira
Outras estórias, 1999, Pedro Bial
O casal dos olhos doces, 2002, curta, Felipe Rodrigues
Oswaldo cruz - o médico do Brasil, 2003, curta, Silvio Tendler 
O preço da paz, 2003, Paulo Morelli
A dona da história, 2004, Daniel Filho
Árido movie, 2004, Lírio Ferreira
O passageiro - segredos de adulto, 2007, Flávio R. Tambellini
A guerra dos rocha, 2008, Jorge Fernando
Chico xavier, 2010, Daniel Filho
Assalto ao banco central, 2011, Marcos Paulo




::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.