Ano 15

Joana Fomm

*14 de setembro de 1940 - Belo Horizonte - MG

cena de A noite do meu bem, 1968, Jece Valadão
cena de A noite do meu bem, 1968, Jece Valadão
Joana Fomm tem carreira importante no cinema brasileiro, com mais de 30 filmes no currículo, dentre eles, a obra-prima tropicalista Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade. A atriz também eternizou vilãs terríveis e inesquecíveis na televisão.

Joana Fomm nasceu em Belo Horizonte, mas foi registrada no Rio de Janeiro. Antes do cinema, escreveu poemas e contos, fez trabalhos no teatro e participações na TV em programas humorísticos e como garota-propaganda. Seu primeiro casamento foi com o ator Francisco Milani, com quem monta companhia de teatro – nesse veículo tem passagem pelo Arena. Joana Fomm estreia no cinema na década de 1960, e seus primeiros filmes são O quinto poder e Um morto ao telefone. Um grande momento viria ainda nessa década ao dar vida à cantora e compositora Dolores Duran no filme A noite do meu bem, dirigido por Jece Valadão, uma de suas atuações mais elogiadas.

Em 1964, estreia em novelas, formato onde tem uma carreira consagrada, principalmente por sua lista de vilãs como a Yolanda Pratini, em Dancin days, a Lúcia Gouveia em Corpo a corpo, a Perpétua em Tieta, a Salustiana Tibiriçá em Fera Radical, entre outras. Em 1970, Joana Fomm integra a galeria de belas de Walter Hugo Khouri em Palácio dos anjos e realiza seu segundo filme com Astolfo Araújo, As gatinhas, seu segundo marido. Joana Fomm tem outros bons momentos como no anárquico Gamal, o delírio do sexo, no episódio dirigido por Roberto Santos em Contos eróticos, em Espelho de carne - de Antonio Carlos Fontoura, Césio 137 - Pesadelo em Goiânia - Roberto Pires, e em Quem matou pixote? - José Joffily. Jornalista, a atriz tem livro de contos e escreveu para jornais importantes como o `Ultima Hora´.


Filmografia

O quinto poder, 1962, Alberto Pieralisi
Um morto ao telefone, 1964, Watson Macedo
Três histórias de amor, 1966, Alberto D’ Aversa
ABC do amor, episódio O pacto, 1967, Eduardo Coutinho
Todas as mulheres do mundo, 1967, Domingos de Oliveira
A vida provisória, 1967, Maurício Gomes Leite
A noite do meu bem, 1968, Jece Valadão
O homem nu, 1968, Roberto Santos
Edu, coração de ouro, 1968, Domingos de Oliveira
Bebel, garota propaganda, 1968, Maurice Capovila
Macunaíma, 1969, Joaquim Pedro de Andrade
Um sonho de vampiros, voz, 1969,  Iberê Cavalcanti e Rubén W. Cavalloti
O palácio dos anjos, 1970, Walter Hugo Khoury
As gatinhas, 1970, Astolfo Araújo
Gamal, o delírio do sexo, 1970, João Batista de Andrade
Em cada coração um punhal, episódio O filho da televisão, 1970, João Batista de Andrade
Elas, episódio O artesanato de ser mulher, 1970, José Roberto Noronha
Fora das grades, 1971, Astolfo Araújo
Noites de iemanjá, 1972, Maurice Capovilla
Vozes do medo, episódio Loucura, 1972, Maurice Capovilla
Os desclassificados, 1972, Clery Cunha
Marília e marina, 1976, Luiz Fernando Goulart
Um brasileiro chamado rosaflor, 1976, Geraldo Miranda
Contos eróticos, episódio Arroz com feijão, 1977, Roberto Santos
Beijo na boca, 1982, Paulo Sérgio de Almeida
O cavalinho azul, 1984, Eduardo Escorel
Espelho de carne, 1984, Antônio Carlos Fontoura
Césio 137 – pesadelo em goiânia, 1990, Roberto Pires
Vai trabalhar, vagabundo II - a volta, 1991, Hugo Carvana
Quem matou pixote, 1996, José Joffily
Copacabana, 2001, Carla Camurati
Quanto vale ou é por quilo, 2005, Sérgio Bianchi
O gerente, 2011, Paulo César Saraceni


Share Music - Embed Audio Files - Perfil Joana Fomm ::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.