Ano 15

Kátia D´Angelo

*12 de dezembro de 1951 - Rio de Janeiro - RJ

Cena de Barra pesada, 1977, Reginaldo Faria
Cena de Barra pesada, 1977, Reginaldo Faria
Musa do cinema nacional dos anos 1970, Kátia D’Angelo é uma ausência sentida nas telas brasileiras. Atriz premiada, durante esse período ela desenvolveu carreira contínua e expressiva, chegando a atuar em uma dúzia de filmes em apenas cinco anos.

Kátia D’Angelo iniciou carreira no teatro nos anos 70, veículo onde desenvolverá também trajetória como diretora, preparadora de atores e autora infantil. Em 1974, faz sua estreia em novelas, atuando em Supermanoela e O espigão. Na telinha, a atriz participa de apenas dez novelas, deixando claro sua preferência pelo seu trabalho no cinema, onde estreia no ano seguinte em Deliciosas traições do amor - episódio de Domingos de Oliveira -, e em A extorsão, de Flávio Tambellini. Em 1976, o cineasta Luiz Fernando Goulart reúne duas promissoras atrizes, Kátia D’Angelo e Denise Bandeira, para protagonizarem Marília e marina. E já no ano seguinte, ela recebe o Kikito de Melhor Atriz no Festival de Gramado pela ótima atuação em Barra pesada, de Reginaldo Faria.

Em 1979, Kátia D’Angelo protagoniza O caso cláudia, filme de sucesso sobre o comentado e bárbaro assassinato de Cláudia Lessin Rodrigues, irmã da atriz Márcia Rodrigues, ocorrido em 77. Depois de anos afastada do cinema, a atriz retorna em Fulaninha, do saudoso diretor David Neves em 86, para ficar mais uma década longe das telas, só voltando em 1996, em O lado certo da vida errada. Os anos 90 serão difíceis para Kátia D’Angelo, que terá o filho assassinado. Em 2002, a atriz é homenageada no Festival de Gramado, onde faz um protesto contra a violência e a impunidade pela morte do filho.


Filmografia

Deliciosas Traições do Amor, episódio Olhar,1975, Domingos de Oliveira
A extorsão, 1975, Flávio Tambellini
Os maniacos eróticos, 1975, Alberto Salvá
Ana, a libertina, 1975, Alberto Salvá
O vampiro de copacabana, 1976, Xavier de Oliveira
Marília e marina, 1976, Luís Fernando Goulart
As grã-finas e o camelô, 1976, Ismar Porto
Quem matou pacífico?, 1977, Renato Santos Pereira
Gente fina é outra coisa, 1977, Antônio Calmon
Barra pesada, 1977, Reginaldo Faria
Pelé joga contra o crime, 1978, Anselmo Duarte
Os trombadinhas, 1979, Anselmo Duarte
O caso cláudia, 1979, Miguel Borges
Fulaninha, 1986, David Neves
O lado certo da vida errada, 1996, Octávio Bezerra


Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.