Ano 15

Liana Duval

*06 de junho de 1927, +23 de março de 2011 - *São Paulo - SP

Cena de O pornógrafo, 1970, João Callegaro
Cena de O pornógrafo, 1970, João Callegaro
Com atuação de destaque no teatro e trabalhos na televisão, Liana Duval é uma presença importante na história do cinema brasileiro. A atriz passou por várias fases do cinema nacional e tem mais de 50 filmes no currículo.  

Liana Duval começou sua carreira nos palcos, desenvolvendo importante carreira teatral. Durante sua trajetória, atuou em peças históricas como O rei da vela, com direção de José Celso Martinez Correa, e Gota d´água, protagonizada por Bibi Ferreira. Liana Duval estreou no cinema em Sai da frente, de Abílio Pereira de Almeida, em 1952. O filme, protagonizado por Mazaroppi foi um grande sucesso e foi produzido pela Vera Cruz. Começava aí uma das mais extensas carreiras de atriz no cinema brasileiro, que vai da década de 50 até os anos 90. Em sua carreira cinematográfica, Liana Duval passa por vários estúdios e modelos de filmagem, como a Vera Cruz, as Chanchadas, o Cinema Marginal, a Pornochanchada, o cinema popular, e o cinema dos anos 80. Na TV, estreia em novelas em Marcados pelo amor, em 1964, atua no marco Nino, o Italianinho, em 1969, mas intensifica sua participação na telinha só a partir da década 70.  

Liana Duval tem um currículo invejável, sendo dirigida por nomes de diferentes tendências como Abílio Pereira de Almeida, Luciano Salce, José Carlos Burle, Carlos Hugo Christensen, Flávio Tambellini, Lenita Perroy, Rubem Biáfora, Jean Garret, Clery Cunha, Geraldo Santos Pereira, Carlos Reichenbach, Roberto Santos, John Herbert, Eduardo Escorel, entre outros. O Cinema Marginal - O pornógrafo (1970), de João Callegaro e Em cada coração um punhal(1970),episódio de Sebastião de Souza; as pornochanchadas - Macho e Fêmea (1974), de Ody Fraga e Aluga-se moças (1982), de Deni Cavalcanti; e o cinema popular - Excitação (1976), de Jean Garrett, e Joelma 23º andar (1979), de Clery Cunha são capítulos à parte em sua filmografia.



Filmografia

Sai da frente, 1952, Tom Payne e Abílio Pereira de Almeida
João gangorra, 1952, Alberto Pieralisi
Nadando em dinheiro, 1953, Abílio Pereira de Almeida
Uma vida para dois, 1953, Armando de Miranda
Floradas na serra, 1954, Luciano Salce
O craque, 1954, José Carlos Burle
A pensão de dona estela, 1956, Ferenc Fekete e Alfredo Palácios
O pão que o diabo amassou, 1957, Maria Basaglia
Hoje o galo sou eu, 1958, Aloísio T. de Carvalho
Só naquela base, 1960, Ronaldo Lupo
Crônica da cidade amada, 1964, Carlos Hugo Christensen
O beijo, 1965, Flávio Tambellini
O pornógrafo, 1970, João Callegaro
Em cada coração um punhal, episódio Transplante de mãe, 1970, Sebastião de Souza
Fora das grades, 1971, Astolfo Araújo
A infidelidade ao alcance de todos, episódio A tuba, 1972, Olivier Perroy
Mestiça, a escrava indomável, 1973, Lenita Perroy
Anjo loiro, 1973, Alfredo Sternheim
Pensionato de mulheres, 1974, Clery Cunha
Macho e fêmea, 1974, Ody Fraga
As delícias da vida, 1974, Maurício Rittner
A casa das tentações, 1975, Rubem Biáfora
Amantes, amanhã se houver sol, 1975, Ody Fraga
Excitação, 1976, Jean Garrett
O seminarista, 1977, Geraldo Santos Pereira
Mágoa de boiadeiro, (1977, Jeremias Moreira Filho
A santa donzela, 1978, Flávio Porto
O outro lado do crime, 1978, Clery Cunha
Por um corpo de mulher, 1979, Hércules Breseghelo
Mulher, mulher, 1979, Jean Garrett
Milagre – o poder da fé, 1979, Hércules Breseghelo
Joelma, 23º andar, 1979,Clery Cunha
Dani, um cachorro muito vivo, 1979, Frank Dawe
Os amantes da chuva, 1979, Roberto Santos
Império das taras, 1980, José Adolfo Cardoso
Ariella, 1980, John Herbert
Ato de violência, 1980, Eduardo Escorel
Pornô!, episódio O gafanhoto, 1981, John Doo
Amor, palavra prostituta, 1981, Carlos Reichenbach
O vale dos amantes, 1982, Tony Rabatoni
Um casal de 3, 1982, Adriano Stuart
Tchau amor!, 1982, Jean Garrett
A noite das taras II, 1982, Ody Fraga e Cláudio Portioli
Aluga-se moças, 1982, Deni Cavalcanti
O encalhe – sete dias de agonia, 1982, Denoy de Oliveira
Tudo na cama, 1983, Antônio Melliande
Nasce uma mulher, 1983, Roberto Santos
De todas as maneiras, 1983, Mário Lúcio e Marcelo Motta
Filme demência, 1986, Carlos Reichenbach
A dama do cine shanghai, 1987, Guilherme de Almeida Prado
Vera, 1987, Sérgio Toledo
Dudu nasceu, 1992, curta, João Batista de Andrade
Coentro e quiabo na carne de sol, 1995, curta, Eduardo Abad.

Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.