Ano 15

Maria Fernanda

*27 de outubro de 1928 - Rio de Janeiro - RJ

Cena de Terra violenta, 1948, Edmond F. Bernoudy
Cena de Terra violenta, 1948, Edmond F. Bernoudy
Uma das grandes damas do teatro, Maria Fernanda levou sua força dramática também para a televisão e para o cinema brasileiro, sendo que nesse último marca presença desde a década de 1940.

Filha da poeta Cecília Meireles, Maria Fernanda estreia no teatro na década de 40, iniciando uma trajetória notável, encenando autores importantes como Shakespeare, Sartre, Bernard Shaw, entre outros – em 1970 ganha o Molière com O balcão, de Jean Genet. Maria Fernanda ganhou uma bolsa de estudos para a `The Old Vic School`, em Londres, época em que participa de vários filmes na Europa. Estreou na TV em 1956, atua em várias novelas, sendo Gabriela (1975) e Pai herói (1979) dois grandes destaques. No cinema, estreia no final da década de 40, em Sempre resta uma esperança e Terra violenta - adaptação do romance Terras do sem fim, de Jorge Amado, para a Atlântida. Em 1953 protagoniza Luz apagada, na Vera Cruz, um de seus grandes momentos no cinema brasileiro.

Maria Fernanda tem mais de dez filmes no currículo. Em 1979, viveria outros grandes momentos em Fim de Festa, de Paulo Porto, e ao protagonizar o média-metragem Joana angélica, dirigido por Walter Lima Jr. Na década de 90, é um dos destaques do sucesso nacional Carlota joaquina – pryncesa do Brasil de Carla Camurati, onde interpreta D. Maria Louca, mãe de D. João VI.


Filmografia

Sempre resta uma esperança, 1948, Nelson Schultz
Terra violenta, 1948, Edmond F. Bernoudy
Luz apagada, 1953, Carlos Thiré
Nobreza gaúcha, 1958, Rafael Mancini
Tumulto de paixões, 1959, Zygmunt Sulistrowski
Ovelha negra, uma despedida de solteiro, 1974, Haroldo Marinho Barbosa
Amor casi... libre, 1976, Fernando Merino
Fim de festa, 1978, Paulo Porto
Joana angélica, 1979, Walter Lima Jr
J. s. brown, o último herói, 1980, José Frazão
Chico rei, 1985, Walter Lima Jr
Carlota joaquina, pryncesa do Brasil, 1995, Carla Camurati
O quinze, 2004, Jurandir de Oliveira
Blind date, 2010, curta, Kevin Baik

::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.