Ano 15

Maria Padilha

*08 de maio de 1959 - Rio de Janeiro

nas filmagens de Os matadores, com o diretor Beto Brant
nas filmagens de Os matadores, com o diretor Beto Brant
Algumas atrizes possuem uma persona tão forte e definida que acabam levando suas marcas para seus trabalhos, sejam fazendo drama ou comédia. Algumas fazem escola, como a grande Marília Pêra, que imprime um ar crítico e levemente zombeteiro em várias personagens que interpreta. E nessa categoria figura o nome também da talentosa Maria Padilha.

Maria Padilha iniciou sua carreira artística no final da década de 1970 pelas portas do teatro, veículo de sua predileção e onde atuará em montagens importantes – nos anos 90 chega a posar para a Playboy para conseguir montar A falecida, de Nelson Rodrigues, dirigida por Gabriel Villela. Em 1980, debuta em novelas no grande sucesso de Gilberto Braga, Água viva, de quem se torna uma das musas, e o que seria quase uma brincadeira – a carreira na TV – toma proporções inesperadas e ela constrói uma trajetória expressiva na telinha. Maria Padilha estreia no cinema em 1986 no filme Vento sul, de José Frazão. A atriz só voltaria as telas do cinema quase uma década após em Boca, segunda adaptação cinematográfica para o Boca de ouro, de Nelson Rodrigues, dessa vez por Walter Avancini – a anterior, e muito superior, foi realizada por Nelson Pereira dos Santos nos anos 60.

Os anos 90 proporcionam a Maria Padilha suas melhores atuações no cinema nacional, em dois filmes fundamentais para a década: o divertido, inteligente e cáustico Sábado, do ótimo cineasta paulista Ugo Giorgetti; e o cinema vibrante e apaixonado de Beto Brant no vigoroso Os matadores. Outro ótimo momento é como um dos protagonista de Praça saens peña (2008), de Vinícius Reis, em que faz bela dobradinha com Chico Diaz.


Filmografia

Vento sul, 1986, José Frazão
Boca, 1994, Walter Avancini
Sábado, 1995, Ugo Giorgetti
Os matadores, 1997, Beto Brant
Zoando na TV, 1999, José Alvarenga Jr
Praça saens peña, 2008, Vinícius Reis
Fim da linha, 2008, Gustavo Steinberg
País do desejo, 2012, Paulo Caldas

::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.