Ano 15

Marieta Severo

*02 de novembro de 1946 - Rio de Janeiro - RJ

Cena de Carlota joaquina - pryncesa do brasil, 1995, Carla Camurati
Cena de Carlota joaquina - pryncesa do brasil, 1995, Carla Camurati
Uma das unanimidades brasileiras, Marieta Severo é sinônimo de talento tanto no teatro, como na televisão e no cinema, sendo que desenvolveu carreira prestigiosa e premiada nos três veículos. A atriz é capaz de dar vida a personagens densos e díspares, que vão da mais traiçoeira vilã até a dona de casa de classe média, da mais elegante grã-fina até a retirante nordestina, o que lhe acarreta aplausos tanto da crítica como do público.

Marieta Severo estreou nas artes cênicas com 19 anos, quando participa de trabalhos no teatro, no cinema, e na televisão. Na TV, vira sensação como a inesperada vilã assassina `O Rato´, da novela Sheik de agadir, grande sucesso capa e espada da época - e depois continua fazendo sucessos em outras como Que rei sou eu? (1989), Laços de família (2000), e no seriado A grande família. Seu primeiro filme é Society em baby-doll, em 1965, marcando o início de um caso de amor da atriz pelo cinema, e vice e versa, e que se intensificaria na década de 1980, quando a atriz participa de vários filmes dirigidos por cineastas como Sérgio Rezende - O homem da capa preta, e Lui Farias - Com licença, eu vou à luta. Em 1987, Marieta Severo presta homenagem a sua grande amiga Leila Diniz, interpretando a mãe da atriz em amoroso filme dirigido pelo amigo de Leila, Luiz Carlos Lacerda, o Bigode.

Marieta Severo foi casada durante anos com o cantor e compositor Chico Buarque de Holanda, um dos gigantes da música brasileira, mas conseguiu construir bela e importante carreira independente dele, mesmo acompanhando o marido ao exílio durante a ditadura militar e recusando a trabalhar na Globo enquanto ele era nome proibido por lá. Na década de 90, a atriz viveria outros grandes momentos no cinema, em filmes como O corpo, Guerra dos canudos, Castelo rá-tim-bum, e, sobretudo, em Carlota joaquina, pryncesa do Brasil, de Carla Camurati, sensação das telas e marco da chamada ´Retomada´ do cinema nacional naquela época. Marieta Severo está em Cazuza, o tempo não pára, de Sandra Werneck e Walter Carvalho, sucesso estrondoso nas telas de todo o país, como a mãe do ídolo, Lucinha Araújo. É uma dos protagonistas de A dona da história, dirigido por Daniel Filho, e atua em vários outros filmes.

 
Filmografia

Society em baby-doll, 1965, Waldemar Lima e Luiz Carlos Maciel
Quatro contra o mundo, episódio Jovem retaguarda, 1970, Stefan Wohl
Todas as mulheres do mundo, 1967, Domingos de Oliveira
Roleta russa, 1972, Bráulio Pedroso
Crueldade mortal, 1976, Luiz Paulino dos Santos
Gente fina é outra coisa, 1977, Antonio Calmon
Chuvas de verão, 1978, Carlos Diegues
Bye bye Brasil, 1979, Carlos Diegues
Sonho sem fim, 1985, Lauro Escorel
O homem da capa preta, 1986, Sérgio Rezende
Com licença, eu vou à luta, 1986, Lui Farias
A espera, 1986, de Luiz Fernando Carvalho e Maurício Farias
Por dúvidas das vias, 1987, curta, Betse de Paula
Sonhos de menina moça, 1987, Teresa Trautman
Leila diniz, 1987, Luiz Carlos Lacerda
Mistério no colégio Brasil, 1988, José Frazão
Faca de dois gumes, 1989, Murilo Salles
A porta aberta, 1989, Aluízio Abranches
Vai trabalhar vagabundo II, 1991, Hugo Carvana
O corpo, 1991, José Antônio Garcia
Carlota joaquina, pryncesa do Brasil, 1995, Carla Camurati
Guerra de canudos, 1997, Sérgio Rezende
Um copo de cólera, 1999, Aluízio Abranches
Outras estórias, 1999, Pedro Bial
Castelo rá-tim-bum, 1999, Cao Hamburger
Villa-lobos – uma vida de paixão, 2000, Zelito Viana
Janela da alma, 2001, Walter Carvalho e João Jardim
As três marias, 2002, Aluízio Abranches
Cazuza, o tempo não pára, 2004, Sandra Werneck e Walter Carvalho
A dona da história, 2004, Daniel Filho
Quase dois irmãos, 2005, Lúcia Murat
Irma vap - o retorno, 2006, Carla Camurati
A grande família - o filme, 2007, Maurício Farias
Pequenas histórias, 2007, Helvécio Ratton
Sonhos roubados, 2009, Sandra Werneck
Quincas Berro d´água, 2010, Sérgio Machado

Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.