Ano 15

Thelma Reston

*06 de julho de 1939, +20 de dezembro de 2012 - *Piracanjuba - GO

Cena de Os sete gatinhos, 1980, Neville d´Almeida
Cena de Os sete gatinhos, 1980, Neville d´Almeida
Thelma Reston foi premiada em Gramado pela atuação arrebatadora em Os sete gatinhos.

Thelma Reston começou seu trabalho de atriz no teatro, quando muda-se de Goiás para o Rio de Janeiro na década de 1950. Tem uma formação sólida, com nomes como Adolfo Celi, Dulcina de Morais, Henriette Morineau e Maria Clara Machado. A estreia no cinema se dá em Asfalto selvagem, de J.B. Tanko, em 1964, e daí ela não para mais. A atriz tem forte presença dramática e jamais passa despercebida, tanto em pequenas participações, como na obra-prima Terra em transe (1967), de Glauber Rocha; como em papel de destaque, caso de Os sete gatinhos (1980), de Neville d´ Almeida - quando recebe o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Gramado, em 1980, pelo papel da Gorda. A atriz estreou em novelas por último, no marco Gabriela, em 1975 - depois atua em várias, principalmente nas escritas por Miguel Falabella. Mas é principalmente no cinema que Telma Reston mostra todo o seu talento e versatilidade.

Thelma Reston tem carreira cinematográfica marcada por mais de 40 filmes, com participação em seus diferentes momentos: Cinema Novo, Cinema Marginal, Cinema Popular, Pornochanchada, Ciclo Trapalhões, entre outros.  A atriz atua em filmes de diretores de linguagens diversas como Nelson Pereira dos Santos, Roberto Santos, Júlio Bressane, Braz Chediak, Alcino Diniz, Antônio Calmon, Carlos Alberto Prates Correia, Bruno Barreto e Tizuka Yamasaki. Thelma Reston tem participação impagável em A mulher de todos (1970), de Rogério Sganzerla.


Filmografia

Asfalto selvagem, 1964, J.B. Tanko
O beijo, 1965, Flávio Tambellini
Engraçadinha, depois dos trinta, 1966, J.B. Tanko
Terra em transe, 1967, Glauber Rocha
El justiceiro, 1967, Nelson Pereira dos Santos
Proezas de satanás na vila do leva-e-traz, 1967, Paulo Gil Soares
O homem nu, 1968, Roberto Santos
As duas faces da moeda, 1969, Domingos de Oliveira
A mulher de todos, 1970, Rogério Sganzerla
Simeão, o boêmio, 1970, João Bennio
Eu dou o que ela gosta, 1975, Braz Chediak
As loucuras de um sedutor, 1975, Alcino Diniz
Deixa amorzinho... deixa, 1975, Saul Lachtermacher
Perdida, 1976, Alberto Prates Corrêa
O vampiro de Copacabana, 1976, Xavier de Oliveira
Gente fina é outra coisa, 1977, Antônio Calmon
Os pastores da noite, 1977, Marcel Camus
Jorden er flad, 1977, Henrik Stangerup
Se segura malandro, 1978, Hugo Carvana
A noiva da cidade, 1978, Alex Viany
Na boca do mundo, 1978, Antonio Pitanga
Os sete gatinhos, 1980, Neville de Almeida
Cabaret mineiro, 1980, Carlos Alberto Prates Correia
Prova de fogo, 1980, Marco Altberg
Insônia, episódio Um ladrão, 1980, Nelson Pereira dos Santos
O beijo no asfalto, 1981, Bruno Barreto
Os vagabundos trapalhões, 1982, J.B. Tanko
O santo e a vedete, 1982, Luiz Rosenberg Filho
Bar esperança, o último que fecha, 1983, Hugo Carvana
Quilombo, 1984, Carlos Diegues
Patriamada, 1984, Tizuka Yamasaki
O rei do rio, 1985, Fábio Barreto
Brás cubas, 1985, Júlio Bressane
Sexo frágil, 1986, Jessel Buss
Romance da empregada, 1987, Bruno Barreto
Running out of luck, 1987, Julien Temple
Dedé mamata, 1988, Rodolfo Brandão
Heróis trapalhões – uma aventura na selva, 1988, José Alvarenga Jr. e Wilton Franco
O diabo na cama, 1988, Michele Massiuno Tarantini
Banana split, 1988, Paulo Sérgio de Almeida
Lua de cristal, 1990, Tizuka Yamasaki
Césio 137 – o pesadelo de Goiânia, 1990, Roberto Pires
Manôushe, 1992, Luiz Begazo
O noviço rebelde, 1997, Tizuka Yamazaki
O homem nu, 1997, Hugo Carvana 
Gatão de meia idade, 2006, Antônio Carlos da Fontoura


Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.