Ano 15

Vera Nunes

*12 de agosto de 1928 - Rio de Janeiro - RJ

Cena de Pinguinho de gente, 1949, Gilda de Abreu
Cena de Pinguinho de gente, 1949, Gilda de Abreu
Até os anos 1950, o cinema nacional vivenciou, com felicidade, a abertura de vários estúdios, entre eles a Cinédia, a Atlântida, a Vera Cruz, a Multifilmes e a Maristela. Todos eles revelaram e abrigaram musas, como Vera Nunes, que passou pela Cinédia e pela Atlântida e se tornou a grande estrela da Maristela, estúdio paulista inaugurado em 1950. 

 Vera Nunes iniciou sua carreira como rádio-atriz na década de 40. Em 1947, chega ao cinema com atuações na Atlântida, Falta alguém no manicômio e Também somos irmãos, e na Cinédia em Pinguinho de gente, filme dirigido por Gilda de Abreu. Entre os trabalhos nesses anos está  a co-produção Brasil/Argentina Não me diga adeus. Na passagem dos anos 40 para 50, Vera Nunes desenvolve carreira importante no teatro, chegando anos mais tarde a montar sua própria companhia. 

Contratada pela Maristela, Vera Nunes brilha em duas produções da casa: Suzana e o presidente e  Presença de anita, ambos dirigido por Ruggero Jacobbi. Dona de reconhecido talento, ela tem nesses dois títulos seus trabalhos mais significativos. Em 1952, nos primórdios da televisão, ela  atua em uma única novela, Helena, para retornar ao formato somente na década de 60,  - a partir desse período atua em várias novelas, como Os fantoches (1967), O meu pé de laranja lima (1970),  Jogo do amor (1985) - e abandona o cinema. Seu último filme foi Dorinha no soçaite, em 1957,  em que repete dobradinha com Geraldo Vietri, que já a dirigira antes em Custa pouco a felicidade

  
Filmografia

Falta alguém no manicômio,1947,José Carlos Burle
Não me diga adeus, 1947, Luís Moglia Barth
Mãe, 1948, Teófilo de Barros Filho
Uma luz na estrada, 1948, Alberto Pieralisi
Pinguinho de gente, 1949, Gilda de Abreu
Também somos irmãos, 1949, José Carlos Burle
Um beijo roubado, 1950, Leo Merten
Garota mineira, 1950, Leopold Somporn
Suzana e o presidente, 1951, Ruggero Jacobbi
Presença de anita, 1951, Riggero Jaccobbi
Custa pouco a felicidade, 1952, Geraldo Vietri
Armas da vingança, 1955, Carlos Coimbra e Alberto Severi
Dorinha no soçaite, 1957, Geraldo Vietri

::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.