Ano 15

Lucia Murat

*1949 - Rio de Janeiro - RJ


Importante cineasta brasileira, Lucia Murat nasceu no Rio de janeiro em 1949. Seu cinema é altamente engajado, em que temas políticos estão emaranhados a dramas particulares e/ou coletivos, sem abrir mão de elementos da narrativa ficcional.

Durante a ditadura militar, Lúcia Murat participou do MR-8, Movimento Revolucionário que combateu o regime, cujos membros sofreram na pele os horrores desse terrível momento político brasileiro. 

Lúcia Murat foi presa, torturada, e passou três anos e meio encarcerada, de 1971 até 1974. Essa terrível experiência foi registrada com maestria em seu longa de estreia, Que bom te ver viva, em que a atriz Irene Ravache interpreta o assombramento dessas mulheres, ao mesmo tempo em que as vítimas reais dão depoimentos sobre o seus dramas. Que bom te ver viva é um filme impactante, em que Lúcia Murat entremeia ficção e documentário com mão de veterana. 

Antes de estrear em longas, Lúcia Murat dirigiu o curta O pequeno exército louco em 1984, que tem como tema outro fato político: a Revolução Sandinista na Nicarágua. 

Em 1992, integra o filme Oswaldianas, ao lado de Rogério Sganzerla, Júlio Bressane, Ricardo Dias, Roberto Moreira e Inácio Zatz, com o episódio Daisy das almas deste mundo

Ainda na década de 90, Lúcia Murat mergulha nos bastidores das milionárias campanhas políticas e dirige Doces poderes. O filme, realizado em 1997, é protagonizado por Antônio Fagundes e Marisa Orth. 

A cineasta entra os anos 2000 com um olhar sobre a explosiva relação entre índios e colonizadores em Brava gente brasileira. Já em 20003, dirige o premiado Quase dois irmãos, filme protagonizado por Caco Ciocler e Flávio Bauraqui, e que tem, claro, o contexto político como cenário. Dessa vez, através da relação de amizade entre dois garotos, um do asfalto e outro do morro, que tomam caminhos diversos e depois se encontram nas celas de um presídio: um como preso político e o outro como infrator.

Em 2006, a cineasta dirige o documentária Olhar estrangeiro, em que foca como os gringos vêem e filmam o Brasil em suas produções.

Já em 2007 aborda a história de Romeu e Julieta, de Shakespeare, no filme musical Maré - nossa história de amor, mas trazendo a trama e o casal de amantes para as favelas cariocas e o universo do hip hop.

2011 marca outro encontro de Lúcia Muart com o documentário, dessa vez assinando o aplaudido Uma longa viagem.

Já em 2012, dirige A memória que me contam.

Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Ana Carolina
Cineasta de assinatura personalíssima e de filmografia inquietante.