Ano 15

Nora Goulart


Nora Goulart é produtora de cinema.

É uma das sócias da Casa de Cinema de Porto Alegre, que foi fundada em setembro de 1987 e é importante espaço de realização de inúmeros curtas e longas premiados.

Nora Goulart estreou no cinema como produtora executiva do ótimo curta Barbosa, de Jorge Furtado e Ana Luíza Azevedo, de 1988. A esse filme, seguiram muitos outros, em que atuou como produtora, co-produtora e/ou produtora executiva.

Dentre os trabalhos no formato curta-metragem está a obra-prima Ilha das flores (1989), de Jorge Furtado – Urso de Prata no Festival Berlim.

Outros curtas são: Esta não é sua vida (1991 – Jorge Furtado); A matadeira (1994 – Jorge Furtado); Ventre livre (1994 – Ana Luiza Azevedo); Veja bem (1994 – Jorge Furtado); Estrada (1995 – Jorge Furtado); Deus ex-machina (1995 – Carlos Gerbase); Um homem sério (1996 – Dainara Toffolli e Diego Godoy); Ângelo anda sumido (1997 – Jorge Furtado); Sexo & beethoven – o reencontro (1997 – Carlos Gerbase); Trampolim (1998 – Fiapo Barth); O oitavo selo (1999 – Tomás Créus); 3 minutos (1999 – Ana Luiza Azevedo); O velho do saco (1999 – Milton do Prado e Amabile Rocha); O sanduíche (2000 – Jorge Furtado); Dona cristina perdeu a memória (2002 – Ana Luiza Azevedo).

Nora Goulart também esteve em alguns dos mais criativos longas-metragens, sobretudo nos filmes de Jorge Furtado: O homem que copiava (2003); Houve uma vez dois verões (2002); Meu tio matou um cara (2004), e Saneamento básico – o filme (2007).

Participou também dos longas Tolerância (2000) e Sal de prata (2005) – ambos de Carlos Gerbase; e o belo Bens confiscados (2004), do mestre Carlos Reichenbach.

Fez a produção executiva do belo Antes que o mundo acabe (2009), de Ana Luiza Azevedo.

Nora Goulart também trabalhou na produção de alguns programas de TV, como Dóris para maiores e Programa legal.

::Voltar
Sala 
 Carmen Santos
Pioneira no cinema: atriz, cineasta, produtora, roteirista e dona de estúdio.