Ano 15

Sara Silveira

*15 de junho de 1950 - Porto Alegre - RS


Uma das mais importantes produtoras do cinema brasileiro contemporâneo, Sara Silveira sempre foi parceira de primeira hora do grande e saudoso cineasta Carlos Reichenbach. Gaúcha como ele, os dois são sócios-fundadores da produtora Dezenove Som e Imagens Produções, responsável pelos últimos filmes do cineasta.  

Nascida em 15 de junho de 1950, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Sara Silveira começou como assistente de produção nos anos 1980, período em que trabalhou em filmes como Nasce uma mulher (1982), de Roberto Santos, Além da paixão (1984), de Bruno Barreto, e O país dos tenentes (1986), de João Batista de Andrade.  

E foi exatamente na época de O país dos tenentes que se deu o seu encontro com o Carlão, conforme o cineasta narra na sua biografia da Série Aplauso, editada Imprensa Oficial de São Paulo, O cinema como razão de viver, de Marcelo Lyra. Segundo Carlão, quando realizava seu grande Filme demência (1985), ficou sem produtor e lhe indicaram o nome de Sara para a produção executiva. Lá, ele confessa que no início achou que não ia dar certo, mas que depois se rendeu diante ao profissionalismo e a competência dela. Como durante as filmagens faltou dinheiro, ele teve que dispensá-la, mas no filme seguinte, Anjos do arrabalde (1987), trouxe-a de volta para o seu set e nunca mais se separaram, até a morte do cineasta.

Em 27 de agosto de 1991, Sara Silveira e Carlos Reichenbach fundam a “Desenove Som e Imagens Produções”. Além de produzir os filmes seguintes de Reichenbach, Alma corsária (1994), Dois córregos (1999), Garotas do abc (2005) e Bens confiscados – esse último junto com a atriz e protagonista do filme, Betty Faria -, Sara Silveira esteve a frente de alguns dos mais notáveis filmes da nova geração. 

Ação entre amigos (1998), de Beto Brant, Bicho de sete cabeças (2000), de Laís Bodanzki, e Durval discos, de Anna Muylaert são alguns desses exemplos, de um cinema autoral e vibrante.  

O longa  A hora mágica (1999), de Guilherme de Almeida Prado,  e o curta A voz do morto (1993), de Sérgio Zeigler e Vitor Ângelo são outros títulos produzidos por Sara Silveira. O episódio Desordem em progresso, dirigido por Carlos Reichenbach em 1988, em 16 mm, e ampliado para 35 mm no longa metragem internacional City Life, marcou a atuação de Sara Silveira em duas outras frentes: Assistente de Direção e Continuidade. 

A trajetória de Sara Silveira é marcada por inúmeras produções, inclusive com um espaço generoso para novos cineastas.

Alguns trabalhos:

Produção Executiva:

- Alô?!, 1995, Mara Mourão
- Até logo, mamãe, 1997, curta, Luiz Carlos Soares
- A grande noitada, 1995, Denoy de Oliveira
- Os matadores, 1995 Beto Brant
- Almoço executivo, 1994, Marina Person e Jorge Espírito Santo
- Glaura, 1994, curta, Guilherme de Almeida Prado
 

Diretora de Produção e Produção Comercial
- 16060, 1994, Vinicius Mainard
- Perfume de gardênia, 1991, Guilherme de Almeida Prado
- Sua excelência o candidato, 1990, Ricardo Pinto e Silva
- Os trapalhões em a árvore da juventude, 1990, José Alvarenga Junior
- Escola atrapalhada, 1990, Antonio Rangel
- Xuxa e os trapalhões em o segredo de robin hood, 1990, José Alvarenga Junior
- O corpo, 1989, José Antonio Garcia

Diretora de Produção
- Oswaldianas, episódio Uma noite com oswald, 1992, de Ignacio Zatz e Ricardo Dias
- Bastidores, 1989, curta, Carla Camurati
- Vai trabalhar vagabundo II, 1989, Hugo Carvana
- Adultério, 1988, curta, Ricardo Pinto e Silva
- Chuá, 1988, curta, Mirella Martinelli
- O grande mentecapto, 1987, Oswaldo Caldeira
- A dama do cine shangai, 1986/1987, Guilherme de Almeida Prado
- Ulla, 1985, curta, Luiz Carlos Araújo 

Assistente de Produção:
- Luar sobre parador, 1987, Paul Mazurzki
- Fogo e paixão, 1987, Marcio Kogan e Isay Weinfeld
- Ma que bambina, 1986, Antonio Cecílio Neto

Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Carmen Santos
Pioneira no cinema: atriz, cineasta, produtora, roteirista e dona de estúdio.