Ano 15

Rosita Thomaz Lopes

*01 de junho de 1920, +09 de março de 2013 - *Rio de Janeiro - RJ


Rosita Thomaz Lopes estreou como atriz com quase 40 anos, e daí não parou mais, com trabalhos no teatro, na televisão e no cinema.

Rosita Thomaz Lopes começou a carreira artística no teatro – primeiro com Maria Clara Machado, depois ingressando na companhia de Tônia Carrero, Adolfo Celi e Paulo Autran, na qual estreou em 1961 com a peça Castelo na Suécia. A partir daí atua em vários espetáculos, como as produções da Companhia Carioca de Comédias, e, anos depois, em sucessos como As lágrimas amargas de Petra Von Kant, protagonizada por Fernanda Montenegro. Filha de diplomata, como estreou com quase 40 anos, com sua voz grave e sua elegância natural, a atriz não fez a mocinha e muitas vezes interpretou mulheres ricas. Seus primeiros trabalhos na televisão são A morta sem espelho e Pouco amor não é amor, ambos de 1963. Depois atua em várias novelas, em trajetória que vai até 2000 com a novela Força de um desejo, de Gilberto Braga, Alcides Nogueira e Sérgio Marques. Braga vai escalar a atriz muitas vezes para suas novelas: Brilhante (1981/82), Louco amor (1983), Pátria minha (1994). A estreia no cinema se dá em Com água na boca (1956), do mestre J.B. Tanko.

Mesmo com atuação intensa em novelas e nos palcos, o cinema será constante na carreira da atriz. Ela marcará presença em produções de cineastas de movimentos e escolas diversos, como os diretores do Cinema Novo Leon Hirszman, em Garota de Ipanema (1967), e Nelson Pereira dos Santos, em El justiceiro (1967); um Júlio Bressane quase às portas do Cinema Marginal em Cara a cara (1968); a comédia de costumes erótica com Alberto Pieralisi, em Um marido sem... é como um jardim sem flores (1972); o horror com Carlos Hugo Christensen em Enigma para demônios (1974); o cinema infantil com Os três mosqueteiros trapalhões (1980), de Adriano Stuart; e o cinema engajado de Sérgio Bianchi, em A causa secreta (1994). Rosita Thomaz Lopes faleceu com 92 anos.


Filmografia

Com água na boca, 1956, J. B. Tanko
Sangue na madrugada, 1964, Jacy Campos
Encontro com a morte, 1965, Arthur Duarte
Garota de Ipanema, 1967, Leon Hirszman
El justiceiro, 1967, Nelson Pereira dos Santos
Mar corrente, 1967, Luiz Paulino dos Santos
Cara a cara, 1968, Júlio Bressane
Os viciados, episódio A trajetória, 1968, Braz Chediak
Pobre príncipe encantado, 1969, Daniel Filho
Ipanema toda nua, 1971, Líbero Miguel
Um marido sem... é como um jardim sem flores, 1972, Alberto Pieralisi
O descarte, 1973, Anselmo Duarte
Enigma para demônios, 1974, Carlos Hugo Christensen
A lira do delírio, 1973/78, Walter Lima Jr.
Os três mosqueteiros trapalhões, 1980, Adriano Stuart
Faca de dois gumes, 1989, Murilo Salles
Stelinha, 1990, Miguel Faria Jr.
A causa secreta, 1994, Sérgio Bianchi

::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.