Ano 15

Cecília Amado

*1976 - *Rio de Janeiro - RJ


A diretora Cecília Amado nasceu em 1976, no Rio de Janeiro (RJ).

O início da trajetória no cinema foi como assistente de continuidade de Tieta do Agreste (1996), adaptação do romance de seu avô Jorge Amado, dirigida por Carlos Diegues, e que marcou o retorno da atriz Sônia Braga como protagonista no cinema brasileiro.

Também na área da continuidade, trabalha nos filmes O que é isso, companheiro (1997), de Bruno Barreto; e Guerra de Canudos (1998), de Sérgio Rezende. Exerce a mesma função na televisão nas minisséries Dona Flor e seus dois maridos (1998), de Dias Gomes, e Labirinto (1998), de Gilberto Braga.

Depois, Cecília Amado inicia trajetória como assistente de direção.

No cinema desempenhou a função nos filmes Mauá, o imperador e o rei (1998), e Onde anda você? (2003), ambos de Sérgio Rezende; Peligrosa obsesión (2004), de Raúl Rodriguez Peila; Jogo subterrâneo (2004), de Roberto Gervitz; e Batismo de sangue (2006), de Helvécio Ratton.

Já na televisão, nas novelas Força de um desejo (1999/2000), de Gilberto Braga, Alcides Nogueira e Sérgio Marques; O cravo e a rosa (2000/2001), de Walcyr Carrasco e Mário Teixeira; Um anjo caiu do céu (2001), de Antônio Calmon; Coração de estudante (2002), de Emanuel Jacobina; Mulheres apaixonadas (2003), de Manoel Carlos; Da cor do pecado (2004), de João Emanuel Carneiro; a minissérie A muralha (2000), de Maria Adelaide Amaral; e os seriados Brava gente (2000) e Cidade dos homens (2005).

Cecília Amado estreou com cineasta em Capitães da areia (2011), filme que também assinou o roteiro e produziu.

Adaptado do romance de sucesso de trama social de Jorge Amado, a história é sobre meninos de rua que vivem no cais do porto em Salvador nos anos 1930, e que eternizou personagens como Pedro bala (Jean Luis Amorim), Dora (Ana Graciela), Professor (Roberio Lima), Sem Pernas (Israel Gouvea) e Gato (Paulo Abade).


::Voltar
Sala 
 Ana Carolina
Cineasta de assinatura personalíssima e de filmografia inquietante.