Ano 15

karina Barum

*11 de agosto de 1970 - *Brasília – DF

Cena de O monge e a filha do carrasco, 1996, Walter Lima Jr.
Cena de O monge e a filha do carrasco, 1996, Walter Lima Jr.
Karina Barum é Benedicta em O monge e a filha do carrasco.

Karina Barum começa a carreira artística no teatro e atua em espetáculos como Os menestréis (1994), de Oswaldo Montenegro; O mistério de Gioconda (2003); e Como monitorar um homem (2010). A estreia em novelas é como Tuca em 74.5 – uma onda no ar, de Chico de Assis, uma produção independente exibida na extinta TV Manchete em 1994. Depois de fazer sucesso como Débora em Malhação (1997), tem ótimo momento como a doce e romântica Shirley em Torre de babel (1998/99), de Sílvio de Abreu. A atriz estreia no cinema como uma dos protagonistas, ao lado de Murilo Benício e Patrícia Pillar, em O monge e a filha do carrasco (1996). Dirigido por Walter Lima Jr e falado em inglês, na trama ela é Benedicta, a tal filha do carrasco por quem o monge interpretado por Murilo se apaixona, despertando a ira e os ciúmes de Amula, interpretada por Patrícia.

Karina Barum é Júlia em Buena sorte (1997), dirigido por Tânia Lamarca e protagonizado por Marcos Palmeira. Na trama, que aborda o universo country e os rodeios, ele é Edgar, jovem criado nos Estados Unidos que volta ao Brasil e se apaixona por Júlia. A atriz volta a viver outro personagem de destaque em O quinze (2004), uma adaptação do clássico romance de Rachel de Queiróz dirigida por Jurandir de Oliveira. No filme, ela é a professora Conceição, jovem que se apaixona pelo primo Vicente, interpretado por Juan Alba, em trama ambientada durante a grande seca que atingiu o Ceará em 1915.


Filmografia

O monge e a filha do carrasco, 1996, Walter Lima Jr.
Buena sorte, 1997, Tânia Lamarca
O quinze, 2004, Jurandir de Oliveira

::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.