Ano 16

Geraldo Veloso (Helena Ignez)

Há atrizes que marcam o seu tempo. Outras fazem o seu tempo. Helena Ignez é uma destas que fazem o seu tempo. Atuam sobre ele. O cinema baiano surgiu em torno desta musa linda, elegante, inteligente, sofisticada e completamente entrosada com a sua geração. Glauber Rocha, seu primeiro marido, que lhe deu uma filha, Paloma – hoje também realizadora, a lançou em seus primeiros trabalhos em curta metragem ("O Pátio" e "Cruz na Praça"). Os baianos o acompanharam na projeção desta atriz empenhada, discípula de Martim Gonçalves, que fez uma revolução no teatro da Bahia, nos anos cinqüenta. Roberto Pires e Olney São Paulo a colocaram em seus filmes da época, realizados na Bahia.   

Pouco depois Helena veio para o Rio, onde trabalhou na televisão (com o gênio da TV contemporânea brasileira, Fernando Barbosa Lima, em seu inesquecível "Noite de Gala"). Roberto Farias chamou-a para o seu antológico "Assalto ao Trem Pagador".   

Mas por que Helena é minha referência? O seu trabalho mais empenhado, "O Padre e a Moça", marca a minha entrada no cinema profissional (no início de 1965). E é um filme que ela apostou e ganhou a batalha da competência e do carisma.  

Helena Ignez é magia pura. A alquimia (fortíssima) feminina a fez se aproximar do jovem cinema brasileiro que surgia, ao largo do cinema novo. Carlos Prates Correia utilizou o seu talento no seu "Guilherme", episódio do longa "Os Marginais". Logo em seguida casou-se com Júlio Bressane com quem fez uma série de filmes ("Cara a Cara", e algumas produções da famosa Belair, produtora de Júlio, Rogério Sganzerla e dela, Helena, como "Família do Barulho"). Depois de sua presença em "O Bandido da Luz Vermelha", casa-se com Rogério Sganzerla que vai escalá-la em uma série de filmes de sua autoria ("A Mulher de Todos", "Betty Bomba, a exibicionista", "Copacabana, mon amour" e outros). Inquieta, buscando sempre uma renovação de modelos de interpretação, é mãe de duas filhas de Rogério (Sinai e Djin), que já se enveredam pela realização cinematográfica.  

Por Helena vários momentos fundamentais do cinema brasileiro passaram. E ela viveu isto consciente, guerreira e talentosa. E continua o seu processo criativo, mais atenta que nunca aos movimentos do cinema poético, renovador e de experiência radical.
O cinema brasileiro deve muito a Helena Ignez.    

Geraldo Veloso é cineasta, montador e crítico de cinema.

Veja também sobre ela

::Voltar
Sala 
 Sala Dina Sfat
Atriz intensa nas telas e de personalidade forte, com falas polêmicas.