Ano 15

Gustavo Spolidoro (Helena Ignez)

Eu ia muito ao cinema e aí um dia eu vi um filme que me marcou e que me marca até hoje, eu acho que é o filme mais moderno que eu vi no cinema brasileiro, que é “O Bandido da Luz Vermelha”. E naquele filme está aquela musa inexplicável, que é a Helena Ignez. E aí aconteceu que alguns anos atrás eu pude ver “A Mulher de Todos”, que eu ainda não tinha visto. E cara, é tu ver o que era a paixão do Sganzerla por aquela mulher, aqueles closes dela. 

E eu pensava assim, quando eu vi “O Bandido”: mas onde andará Helena Ignez? Porque essa mulher não fez mais filmes e de repente ela volta agora. Ela não é mais aquela garotinha de vinte e poucos anos, mas é uma pessoa sensacional, que eu pude conhecer. E eu acho que no cinema brasileiro, porque esse é o cinema que eu mais me identifico, que é o cinema do Rogério, o cinema daquela turma chamada Cinema Marginal. E a Helena foi uma musa de muitos desses caras. 

Então eu acho que ela é uma pessoa que merece todos os louros pelo que ela fez pelo cinema e pelo que ela está fazendo. Porque ela tá fazendo agora o longa dela, também, digamos, uma continuação do “Bandido da Luz Vermelha”. E ela participa de filmes com jovens, ela participa de vários filmes. Ela voltou, digamos, com todo esse tesão que ela teve. E é também aquela pessoa tranqüila daquela época da questão zen, que ela tem. É uma pessoa de extrema lida, uma pessoa carinhosa, educada, que aprecia o trabalho dos jovens. 

Então, ela não é só uma atriz, ela não é só uma musa, ela é uma pessoa que tá fazendo cinema junto com muita gente que também tá com o mesmo tesão. E ela tá lá com aquele tesão quase adolescente pra fazer também os trabalhos.

Então, Helena Ignez é a pessoa, é a mulher. Eu diria que é a Mulher de Todos né? De todos nós que fazemos cinema.

Gustavo Spolidoro é cineasta.


Veja também sobre ela

::Voltar
Sala 
 Sala Dina Sfat
Atriz intensa nas telas e de personalidade forte, com falas polêmicas.