Ano 15

Rosanne Mulholland

A jovem Rosanne Holland é uma atriz corajosa – aliás, coragem deve mesmo ser uma característica de todo ator. A atriz é uma dos protagonistas do filme “A Concepção”, dirigido por José Eduardo Belmonte, que conta ainda no elenco com Matheus Nachtergaele, Milhen Cortaz, Juliano Cazarré, Murilo Grossi e Gabrielle Lopez.  No filme, que tem como cenário Brasília, eles formam um grupo, “Os Concepcionistas”, que desafia a ordem estabelecida. Dessa forma, eles queimam carteira de identidade, trocam de papéis, e, mais que tudo, protagonizam cenas ousadas de sexo, regadas por muitas drogas.  

Rosanne Holland é uma bela presença em cena nesse polêmico e não menos corajoso filme de José Belmonte. O filme está em cartaz nos cinemas, e o público tem a oportunidade de vê-la em dose dupla nas telas, já que faz participação também em “Araguaya – A Conspiração do Silêncio”, de Ronaldo Duque, outro cineasta de Brasília, como o próprio Belmonte.  

Rosanne Holland esteve na “9a Mostra de Cinema de Tiradentes”, onde concedeu entrevista exclusiva ao Mulheres. Aqui, ela fala da sua carreira, do trabalho na televisão e dos longas e curtas dos quais participou, com uma atenção especial, claro, para “A Concepção”. A atriz descreve como recebeu o convite de Belmonte para atuar no filme: “Pensei muito para fazer, pois eu não sou uma pessoa que se expõe demais na vida. Então essa exposição para mim era assustadora. Ai a gente conversou bastante, combinou algumas coisas e eu não resisti.”  

  
Mulheres:  Eu gostei muito de “A Concepção”,  um filme importante nesse momento atual de produção do cinema brasileiro, que é um cinema que esta apostando em propostas diferenciadas. Como você chegou até esse filme?  

Rosanne Holland:  Bom, eu já tinha trabalhado com o Jose Eduardo (Belmonte) antes, fiz um curta com ele e depois do curta a gente sempre se falava, fazia algum trabalho lá em Brasília, e tal...  

Mulheres: Qual o nome do curta? ...  

Rosanne Holland:  “Dez Dias Felizes” (2002). Enquanto ele escrevia o roteiro, teve uma época em que a gente estava fazendo umas leituras. Ele chamava alguns atores que ele gostava e a gente fazia a leitura de alguns projetos. E aí a gente fez, um dia, a leitura do “Concepção”. Não estava nem pronto ainda, e todo mundo que leu ficou louco. Dizia-se: " que filme e esse?" Prendia, dava vontade de saber o que ia acontecer depois. Com o passar do tempo, ele começou a falar que queria que eu participasse, e ai eu me assustei. Porque é diferente, você lê aquilo, de forma distante, mas depois se ver naquela situação, me assustou um pouco. Pensei muito para fazer, pois eu não sou uma pessoa que se expõe demais na vida. Então essa exposição para mim era assustadora. Ai a gente conversou bastante, combinou algumas coisas e eu não resisti.  

Mulheres: Então você foi a primeira escolha para essa personagem? Não teve teste? Foi a partir do trabalho anterior?  

Rosanne Holland: Acho que ele chegou a fazer teste com o pessoal da produtora, mas ele enfiou na cabeça que queria que fosse eu. Eu não sei muito bem porque até hoje.   

Mulheres: Mas funcionou maravilhosamente bem, pelo menos na minha opinião.  

Rosanne Holland: Ah! que bom, muito obrigada.  

Mulheres: Você começou a carreira no teatro, não é isso?   

Rosanne Holland: Eu fiz teatro em Brasília desde os doze anos, fiz durante minha adolescência inteira.   

Mulheres: Você chegou a fazer curso de teatro?    

Rosanne Holland: Fiz muitos cursos, e também peças de final de curso. Tinha um grupo de teatro em Brasília, chamado  Mais Cia. Eu saí porque me mudei para o Rio, estou ha dois anos lá.  

Mulheres: A sua estréia no cinema foi no curta do Belmonte. Você consegue rememorar o primeiro prazer de estar num set de cinema?   

Rosanne Holland: Foi muito bom, porque o filme caiu do céu. Eu fiz dois comerciais com o Zé, e, de repente, eu nem o conhecia direito e ele me botou no filme. Eu não sabia muito bem o que eu estava fazendo ali, então para mim era “ai que barato, tô fazendo um filme”. Foi tudo muito leve, eu ia lá e fazia. Parecia fácil, porque não me cobrava, eu não tinha nenhuma pressão. E ele gostou. Foi bom, eu aprendi muito, foi uma experiência diferente.   

Mulheres: Você fez outros curtas?   

Rosanne Holland: Eu fiz uma participação num curta depois disso, “Madame Pessoa”, do Bruno Freitas. Mas, para ser sincera, eu ainda não vi esse filme. Eu fiz um outro longa também, antes desse segundo curta, que chama-se “Araguaya – A Conspiração do Silêncio” (Ronaldo Duque). Meu primeiro longa foi esse, mas “A Concepção” foi diferente, um papel maior. São experiências bem diferentes e foram um grande aprendizado para mim. A minha participação em “Araguaya” foi menor, já em “A Concepção” foi bem mais intenso.   

Mulheres: E o trabalho na televisão, na minissérie “JK”?  

Rosanne Holland: Antes disso, eu fiz participações pequenas, de um capítulo: entra lá, fala duas falas e tchau. Foi a primeira vez que eu peguei um papel na televisão.  

Mulheres: Você considera esse trabalho sua estréia na televisão?  

Rosanne Holland: Sim.  

Mulheres: O trabalho na televisão te seduz? Você pensa aliar ao trabalho na televisão o cinema e o teatro?  

Rosanne Holland: Eu gostei muito de participar de todos eles, todos se complementam de alguma forma. Cada um te dá uma coisa a mais para você usar nos outros também, é mais ferramenta para o ator. Gosto muito dos três. Embora minha participação na televisão tenha sido meu primeiro trabalho, ainda tenho muito para aprender, para ver como é mesmo. Eu tenho interesse em participar de todos.   

Mulheres: Me fale um pouco dessa participação em de “JK”.  

Rosanne Holland: Bom, para entrar em “JK” eu tive que fazer um teste. Eu já tinha feito vários testes. Na televisão é um pouco estranho e diferente. Você vai, entra, gravou, acabou, tudo muito rápido. As pessoas falam e é uma industria mesmo. Então eu me senti um pouco assustada no principio, mas gravando uma cena depois da outra, a gente vai se acostumando com o estúdio, com o efeito.  E eu gostei muito das pessoas que eu conheci lá, são pessoas bem bacanas. O tempo que a gente espera a gente se diverte, gostei muito de ter participado de “JK”.  

Mulheres: Você tem interesse no cinema brasileiro como espectadora?  Você assiste filmes brasileiros?  

Rosanne Holland: Assisto.  

Mulheres: Qual foi o ultimo que você assistiu?   

Rosanne Holland: Hum... deixa eu pensar....O último filme que eu assisti... Minha memória e um pouco lenta.  Acho que foi “Eu me Lembro”  (Edgar Navarro), no festival de Brasília.  

Mulheres: Eu sempre peço para as minhas entrevistadas, se elas quiserem, claro, para homenagearem uma outra mulher do cinema brasileiro. A escolha pode ser de qualquer época e de qualquer área. Tem alguma mulher do cinema brasileiro que você admira? Que você gostaria de citar? 

Rosanne Holland: Eu admiro muito a Cláudia Abreu, tanto no cinema quanto na tv. Desde a  minha adolescência que a admiro muito.  

Mulheres: Você está envolvida em algum outro projeto?  

Rosanne Holland: É, eu tenho alguns projetos não fechados ainda, tenho algumas possibilidades.  

Mulheres: Em cinema,, tv ou teatro?  

Rosanne Holland:  É cinema. Tem alguma coisa de tv também, mas está tudo no ar ainda. Não fechei nada ainda.  

Mulheres: obrigado pela entrevista. 

  
Entrevista realizada em janeiro de 2006 na 9ª Mostra de Cinema de Tiradentes.
O Mulheres viajou a Tiradentes a convite da Mostra

Veja também sobre ela

::Voltar
Sala 
 Sala Dina Sfat
Atriz intensa nas telas e de personalidade forte, com falas polêmicas.