Ano 15

Cássia Kiss Magro

*06 de janeiro de 1958 - São Caetano do Sul - SP

Cena de Bicho de sete cabeças, 2001, Laís Bodanzki
Cena de Bicho de sete cabeças, 2001, Laís Bodanzki
Há 20 anos em cena, Cássia Kiss Magro mantém uma carreira sempre em crescente na televisão e no cinema. Nesse último, desde a estreia no clássico Memórias do cárcere, de Nelson Pereira dos Santos, em 1984, a atriz soma interpretações brilhantes, dirigida por alguns de nossos mais importantes cineastas.  

Cássia Kiss começou sua carreira artística no teatro. Em 1984 chega à televisão e ao cinema, dando início a uma carreira importante nos dois veículos. A primeira novela em que atua é Livre para voar, de Walter Negrão, em  que já impressiona pela composição da recalcada Verona. Daí para a frente, a atriz vai compor personagens marcantes, como a Lulu de Roque santeiro, a Leila de Vale tudo, a Maria Marruá de Pantanal, a Ana de Barriga de aluguel, a Ilka Tibiriça deFera ferida, e a Adma de Porto dos milagres. No cinema, depois de Memórias do cárcere, atua em O país dos tenentes, de João Batista de Andrade, e tem belo momento em Ele, o boto, do grande Walter Lima Jr. Na década de 90, atua em único filme, A grande arte, longa irregular de estreia de Walter Salles.

Cássia Kiss vem marcando presença contínua nas telas. A atriz aparece desglamourizada emBicho de sete cabeças, em notável aparição no não menos notável filme de Laís Bodanzky, como a mãe do personagem de Rodrigo Santoro, protagonista do filme. E apresenta outras tantas inesquecíveis atuações, como em novo encontro com Laís em Chega de saudade, e nas breves, mas marcantes, aparições em Meu nome não é johnny, de Mauro Lima,  e em A festa da menina morta, de Matheus Nachtergaele.


Filmografia

Memórias do cárcere, 1984, Nelson Pereira dos Santos
O país dos tenentes, 1987, João Batista de Andrade
Ele, o boto, 1987, Walter Lima Jr
A grande arte, 1991, Walter Salles
A hora marcada, 2000, Marcelo Taranto
O circo das qualidades humanas, 2000, de Milton Alencar, Paulo Augusto Gomes, Jorge Moreno e Geraldo Veloso
Condenado à liberdade, 2001, Emiliano Ribeiro
Bicho de sete cabeças, 2001, Laís Bodanzky
Odiquê, 2004, Felipe Joffily
Tapete vermelho, 2005, Luís Alberto Pereira
Não por acaso, 2007, Philippe Barcinski
Chega de saudade, 2007, Laís Bodanzki
Meu nome não é johnny, 2008, Mauro Lima
A festa da menina morta, 2008, Matheus Nachtergaele
Os inquilinos, 2009, Sérgio Bianchi
Bróder, 2010, Jeferson De
Chico xavier, 2010, Daniel Filho
Billi pig, 2012, José Eduardo Belmonte

Veja também sobre ela
::Voltar
Sala 
 Isabel Ribeiro
Presença luminosa nas telas, brilhou no cinema, teatro e televisão.